Última hora
This content is not available in your region

Peritos não acreditam que acusações de Trump cheguem ao Supremo

euronews_icons_loading
Frankfurt/Main, GERMANY
Frankfurt/Main, GERMANY   -   Direitos de autor  Frank Rumpenhorst/(c) Copyright 2020, dpa (www.dpa.de). Alle Rechte vorbehalten
Tamanho do texto Aa Aa

Fraude eleitoral é a resposta de Donald Trump para uma possível derrota nas presidenciais dos EUA. O chefe de Estado diz que terminou o prazo para a contagem dos votos e já apresentou queixas nas instâncias competentes para que ela seja interrompida.

A maioria dos casos estão a ser abertos nos estados da Geórgia, Nevada, Michigan e Pensilvânia, os últimos a fechar a contagem.

Louis Caldera, que foi advogado na adminstração Obama acredita que o objetivo de Trump é fazer chegar à esfera federal as suas queixas: "Há dúvidas sobre quem alterou os prazos. Foi o legislador, foi uma comissão eleitoral, foi um tribunal? Se foi um tribunal foi para lá dos seus poderes, de acordo com a Constituição estadual ou federal. O que eles estão a tentar fazer é passar esses casos dos tribunais estaduais para os federais para que possam chegar aos juízes nomeados por Trump".

*George Bush vs Al Gore*

Há 20 anos, uma luta aguerrida entre George Bush e Al Gore terminou após uma batalha legal pela Florida, que chegou ao Supremo Tribunal. O candidato Democrata pediu a recontagem dos votos mas o Supremo, acionado por Bush, interrompeu o processo e o Republicano acabou eleito presidente do país.

Hoje, os especialistas jurídicos não acreditam que este cenário se vá repetir. Amy Dacey, diretora executiva do Sine Institute of Policy & Politics da American University, explica que o escrutínio de 2000 foi, "provavelmente" o que mais marcou as pessoas por ter chegado ao Supremo. A mais alta instância "reviu a decisão da da Florida e emitiu o seu parecer a 12 de dezembro dizendo que deveria cumprir-se o prazo para que houvesse uma decisão. Por isso, mesmo que a campanha de Trump tente atrasar a decisão, para chegar ao congresso, ele não pode, simplesmente, chegar ao Supremo e dizer que esta eleição foi injusta", conclui.

O enviado da euronews a Washington, Jack Parrock,, acrescenta que "Trump diz que vai lutar até chegar ao Supremo Tribunal" mas que "é improvável que todos os processos que interpôs cheguem aí ou que algum deles tenha" substância "para mudar, de facto, o resultado da eleição".