Última hora
This content is not available in your region

Biden e Trump enfrentam o dia seguinte

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Biden e Trump enfrentam o dia seguinte
Direitos de autor  AP Photo
Tamanho do texto Aa Aa

Um dia depois de ter mudado o curso da história dos Estados Unidos, Joe Biden voltou às rotinas de domingo. O agora presidente eleito norte-americano é o segundo católico no país e foi na missa e numa visita às campas da família que começou o dia seguinte à vitória.

No entanto, uma mais que provável conturbada transição de poder avizinha-se e Biden está já a trabalhar para assumir a chefia de Estado.

Ao lado de Kamala Harris, o futuro presidente prepara um dos dossiês mais urgentes nos Estados Unidos, o da pandemia de covid-19.

"O nosso trabalho começa com o controlo da Covid. Na segunda-feira nomearei um grupo de notáveis cientistas e peritos como conselheiros para a transição que vão ajudar a pegar no plano Biden-Harris para a Covid e convertê-lo num plano real com início a 20 de Janeiro de 2021", afirmou Joe Biden no discurso de vitória.

Novos focos de contágio e máximos diários acima dos 130 mil casos de infeção são o grande desafio de Biden, que agora se prepara para reverter a retórica e as práticas do antecessor.

A promoção do uso de máscaras, o reforço das cadeias de abastecimento sanitário e a chegada a uma vacina são algumas das medidas previstas.

Joe Biden tem pela frente um desafio difícil, dificultado pelo legado de Donald Trump, mas também pela resistência do ainda presidente em aceitar a derrota e facilitar a transição de poder.

Para Trump, houve fraude nas contagens e "é impossível imaginar que Biden ou Obama tenham ganho em alguns dos estados" onde venceram.

Tal como o adversário democrata, também o ainda presidente voltou à rotina, tendo optado por ir jogar golfe e publicar no Twitter, no dia a seguir à derrota.

Após ter denunciado alegadas fraudes no processo eleitoral, foi nesta rede social que Trump questionou o papel dos média na divulgação dos resultados das presidenciais.

Nuns Estados Unidos ainda muito divididos, muitos dos apoiantes de Trump comportaram-se à semelhança do líder republicano e mantiveram-se em negação.

No entanto, a partir de janeiro, começa um novo ano e, ao que tudo indica, uma nova página na história dos Estados Unidos da América.