Maior bairro de lata de Espanha sofre drama às escuras

Maior bairro de lata de Espanha sofre drama às escuras
Direitos de autor euronews
De  Francisco MarquesCarlos Marlasca
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Há muitas histórias complicadas entre os milhares de residentes no "Cañada Real". A Euronews conta-lhe a de Saída Chadou e da filha doente de três anos

PUBLICIDADE

O bairro de lata "Cañada Real", nos arredores de Madrid, está já há dois meses sem eletricidade. Apenas o sol tem aquecido o dia e as velas iluminado a noite aos milhares de residentes desta comunidade marginal da capital espanhola conhecida como o maior bairro de lata de Espanha.

Saída Chadou integra a população com cerca de oito mil residentes da "Cañada Real", tem uma filha de três anos a sofrer de uma doença grave nos pulmões que a torna dependente de assistência médica e, sobretudo, de energia elétrica.

"É uma desgraça total. Sinto uma impotência, uma revolta. A vida dela agora depende da eletricidade. Quando lhe custa a respirar tem de se ligar a um aparelho para a ajudar", contou Saída Chadou à Euronews.

Saída vive há 25 anos em Espanha. Queixa-se da falta de ajuda dos serviços sociais espanhóis.

Da última vez que pediu ajuda na segurança social, Saída foi remetida para outros serviços públicos.

"Da última vez, disseram-me: 'Já sei o que se passa, não é preciso que voltes outra vez. Se a rapariga ficar doente, vais ao hospital'", recordou-nos esta residente necessitada sobretudo de eletricidade numa povoação clandestina descrita como um dos maiores bairros de lata da Europa.

Fundado no verão de 1978, a 14 quilómetros das Portas do Sol, em Madrid, o bairro "Cañada Real" estende-se por uma língua de terra de 16 quilómetros, a leste do centro de Madrid .

Há estimativas informais para a existência de mais de 40 mil pessoas a residir neste bairro de lata. As organização não governamentais que têm trabalhado no apoio social aos residentes calculam pelo menos 8.000 habitantes e o número das entidades oficiais fica-se pelos 7.283, incluindo 2.548 menores, noticiava em 2017 o jornal El País.

A coordenadora dos serviços sociais do Programa de Intervenção com Famílias na "Cañada Real" de Merinas falou à Euronews de um "problema de exclusão urbanística e de falta de acesso a serviços".

"É um bairro linear e muitos dos setores de 'Cañada Real' não têm nem saneamento próximo às habitações", contou-nos Laura Gil Benito.

Desde o início dos cortes de energia, a polícia tem efetuado rusgas no bairro. O governo regional de Madrid alega que o aumento de plantações de marijuana pode estar na base da sobrecarga energética que provoca os cortes de luz no bairro.

Seja qual for a causa, pessoas como Saída, apenas pedem a eletricidade ligada, mas esta mãe de uma menina doente sente que todos lhe viram as costas quando ela mais precisa.

O correspondente da Euronews em Madrid, lembra-nos que "em 2017, os governos de Espanha e de Madrid acordaram no papel encontrar soluções para a vida dos residentes no bairro de 'Canãda Real'".

"Três anos depois, mesmo as mais básicas necessidades dos residentes continuam por ser satisfeitas", conclui o jornalista Carlos Marlasca.

Outras fontes • El País

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Agricultores espanhóis em protesto invadem centro de Madrid com centenas de tratores

Russo que desertou em helicóptero do exército é morto a tiro em Espanha

Partido Popular espanhol vence eleições na Galiza com maioria absoluta