EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Brexit em preparação nos dois lados da Mancha

Jean Castex visita pescadores de Boulogne-sur-Mer
Jean Castex visita pescadores de Boulogne-sur-Mer Direitos de autor Christophe Petit Tesson/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Direitos de autor Christophe Petit Tesson/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

No norte de França e sul de Inglaterra cresce o ceticismo face a um acordo comercial entre Londres e Bruxelas

PUBLICIDADE

A pesca continua no centro das difíceis negociações entre Londres e Bruxelas para encontrar um acordo comercial pós-Brexit. 

Em França, o primeiro-ministro Jean Castex visitou os pescadores de Boulogne-sur-Mer, face ao Canal da Mancha, com a promessa de um plano de acompanhamento para os profissionais do setor.

Olivier Leprêtre, presidente do comité regional de pesca:"É preciso um acordo, porque sem acordo, seja para a Euronor ou para a frota local, será a morte garantida. Se nos virmos todos limitados às águas francesas, vamos estar apinhados com belgas, holandeses, espanhóis e haverá uma sobreexploração de recursos, o que não pode acontecer."

A impossibilidade de acesso às águas britânicas é, assim, o grande receio.

Com ou sem acordo comercial, as normas europeias deixarão de se aplicar ao Reino Unido a 1 de janeiro. 

No Sul de Inglaterra, a preocupação é a gestão do tráfego rodoviário, com grandes áreas de transição já em construção, para poder acolher um grande número de camiões no futuro próximo.

Face à incerteza a respeito do resultado das negociações, também há otimistas: o chefe da diplomacia irlandesa Simon Coveney acredita ainda num acordo "nos próximos dias" entre Londres e Bruxelas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Afinal, Nigel Farage vai concorrer às eleições no Reino Unido

ONU teme novo deslizamento de terras na Papua Nova Guiné

Mais de 2000 dados como mortos após deslizamento de terras na Papua-Nova Guiné