Polónia esclarece situação e mantém veto ao orçamento da UE

Mateusz Morawiecki, primeiro-ministro da Polónia e Viktor Orbán, primeiro-ministro da Hungria
Mateusz Morawiecki, primeiro-ministro da Polónia e Viktor Orbán, primeiro-ministro da Hungria Direitos de autor Armando Franca/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
De  Bruno Sousa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Dúvida surgiu depois de declarações do vice-primeiro-ministro Jarosław Gowin, que Varsóvia já disse terem sido "pouco precisas"

PUBLICIDADE

O Orçamento da União Europeia e o fundo de recuperação para combater os efeitos da pandemia estão nas mãos de Hungria e Polónia. Em relação a Budapeste, a posição nunca esteve em dúvida e ainda esta sexta-feira Viktor Orban, na habitual entrevista semanal na rádio, confirmou que iria manter o veto porque considera que as questões políticas não podem ser ligadas às questões económicas.

Já em relação a Varsóvia, a dúvida foi lançada depois de uma declaração do vice-primeiro-ministro, Jarosław Gowin, ter sido interpretada como a vontade de chegar a um compromisso com Bruxelas. O governo polaco já veio esclarecer a situação e deixou claro que se é verdade que estão dispostos a negociar, também é verdade que existem algumas questões de que não abdicam, pelo que a sua posição permanece inalterada.

No centro da polémica estão as sanções previstas no orçamento para os países que não respeitarem o Estado de Direito. Polónia e Hungria consideram que o Tratado da União Europeia já tem mecanismos políticos para punir essa situação, pelo que não faz sentido criar também uma punição económica.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Polónia: eleições locais mostram que conservadores continuam a ser força política de peso

Eleições locais na Polónia testam Governo de Tusk há menos de quatro meses no poder

Novo governo polaco traz esperança à comunidade LGBT