This content is not available in your region

Isabel dos Santos perde participação na Unitel

Access to the comments Comentários
De  Francisco Marques
Isabel dos Santos em 2017
Isabel dos Santos em 2017   -   Direitos de autor  AP Photo/Paulo Duarte/ Arquivo

Isabel dos Santos perdeu o controlo da participação de 25% que detinha na Unitel, a principal operadora de telecomunicações em Angola, atualmente com 50% nas mãos da Sonangol.

A saída da empresária angolana visada nos "Luanda Leaks" resulta de uma ação judicial concretizada num despacho do Supremo Tribunal das Ilhas Virgens Britânicas, paraíso fiscal onde estava registada a Vidatel.

No despacho, datado de 19 de novembro e agora revelado num comunicado da empresa PT Ventures, detida desde janeiro pela Sonangol, a justiça retirou o controlo da Vidatel a Isabel dos Santos e assumiu a administração judicial da empresa e dos respetivos 25% de ações na Unitel.

A gigante das telecomunicações angolanas é detida em 50% pela petrolífera estatal de Angola desde a aquisição da PT Ventures pela Sonangol, em janeiro passado.

Aos 25% que já detinha antes através da subsidiária MSTelcom, a Sonangol passou a somar a maioria e pode agora avançar para o desenvolvimento da empresa sem o "peso" da empresária que tem vindo a ser perseguida pela justiça em Luanda, por alegado desvio de dinheiros públicos.

A empresa Geni, controlada pelo general Leopoldino do Nascimento, controla outros 25% e Isabel dos Santos controlava os restantes 25% através da Vidatel, agora apreendida nas Ilhas Virgens Britânicas.

A PT Ventures explica que o objetivo da nomeação de administradores judiciais para a Vidatel é o de preservar e assegurar os ativos relevantes, enquanto se aguarda a confirmação da condenação dos sócios fundadores da empresa agora arrestada, incluindo Isabel dos Santos, no Tribunal da Relação de Paris.

A sentença proferida em fevereiro de 2019 indica que os fundadores da Vidatel têm de pagar à PT Ventures duas indemnizações no valor global de 654,2 milhões de dólares (cerca de €569 milhões).

Isabel dos Santos é também visada num processo aberto em Londres, no passado mês de outubro, no qual a Unitel reclama a restituição de sete empréstimos concedidos a uma outra empresa da filha de José Eduardo dos Santos.

Esses empréstimos agora a ser investigados pela Divisão de Comércio do Tribunal Superior londrino estão avaliados em mais de €350 milhões, terão sido concedidos entre 2012 e 2013 para financiar várias operações de Isabel dos Santos, incluindo a compra de ações na operadora portuguesa ZON, a aquisição da T+ Telecomunicações de Cabo Verde e um investimento na Unitel de São Tomé e Príncipe.

Isabel dos Santos tem vindo a ser pressionada pela justiça angolana, nos quais o Estado reclama mais de €4,5 mil milhões desviados para operações detidas pela empresária e pelo marido Sindika Dokolo, recentemente falecido num acidente de mergulho.

Outras fontes • Jornal de Angola, Público