EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Região francesa promove testes rápidos e grátis para todos

Região francesa promove testes rápidos e grátis para todos
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Bruno SousaGuillaume Petit
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Auvergne-Rhône-Alpes promove ação de despistagem maciça antes do período natalício

PUBLICIDADE

A região francesa de Auvergne-Rhône-Alpes aposta forte na despistagem da covid-19 antes do período natalício e instalou mais de 2600 centros de testes rápidos e gratuitos. Centros que tanto funcionam em tendas provisórias como em laboratórios, supermercados, escolas ou estâncias de esqui.

A operação custa cerca de 20 milhões de euros, destinados à compra de 2 milhões de testes antigénio e ao recrutamento de mais de dois mil profissionais do setor da saúde, nomeadamente enfermeiros, farmacêuticos e estudantes de medicina. Bombeiros, dentistas e parteiros também foram formados para poderem reforçar o efetivo em caso de necessidade.

A maior parte trabalha com testes antigénio, que permitem resultados em vinte minutos mas que não são tão fiáveis como os testes PCR (usados num número restrito de centros). Essa tem sido uma das críticas feitas à iniciativa, uma vez que aumentam os riscos de um falso negativo.

Críticas desvalorizadas pelo presidente da Região, Laurent Wauquiez, que diz que "sempre é melhor fazer estes testes do que não fazer nenhum e o pior resultado possível é do teste que não se faz".

Estas operações de despistagem maciças já foram realizadas noutras cidades europeias, como Liverpool, e também em países como a Áustria e Eslováquia. Neste caso verificou-se nas semanas seguintes uma redução no número de casos mas é complicado dizer se foi resultado dos testes ou das medidas de restrição colocadas em vigor.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Tumultos na Nova Caledónia diminuem. A França acusa o Azerbaijão de fomentar a violência

Polícia francesa mata homem que tentava incendiar sinagoga em Rouen

Quatro mortos em tumultos na Nova Caledónia. Macron declara estado de emergência