Recorde de mortes e contaminações nos EUA

Campanha de vacinação contra a Covid-19 no Arizona
Campanha de vacinação contra a Covid-19 no Arizona Direitos de autor Ross D. Franklin/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
De  Rodrigo Barbosa com AFP / EFE
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Estados Unidos preparam-se para autorizar segunda vacina contra a Covid-19

PUBLICIDADE

Um dia de maus recordes para os Estados Unidos, que tenta acelerar a campanha de vacinação contra o coronavírus: o país registou esta quarta-feira 3784 mortes devido à Covid-19, de acordo com a contagem independente realizada pela Universidade John Hopkins, o balanço diário mais elevado desde o início da pandemia.

O Estado de Nova Iorque continua a ser o mais afetado.

Os Estados Unidos contam já com mais de 307.000 mortos devido à Covid e esta quarta-feira foi batido também um novo recorde no número de infeções diárias registadas, mais de 250.000 em 24 horas.

As autoridades norte-americanas esperam vacinar esta semana 3 milhões de pessoas, com doses da Pfizer/BionTechm cujo uso foi autorizado na semana passada.

Uma profissional de saúde vacinada no Alasca teve uma forte reação alérgica depois de receber a primeira dose, mas o responsável do hospital onde se encontra garante que está bem.

Lindy Jones, diretor das Urgências do Hospital Regional Bartlett: "Já não está medicada e não está a receber oxigénio. Está simplesmente em observação. Portanto está recuperada. Está apenas um pouco cansada devido ao Benadryl que lhe demos."

A entidade reguladora dos medicamentos nos Estados Unidos prepara-se para dar "luz verde" também à vacina da norte-americana Moderna, o que poderá acelerar significativamente a campanha de vacinação lançada no início da semana.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Nova "Guerra das Estrelas": Rússia desenvolve sistema de mísseis nucleares antissatélite

Senado dos EUA aprova pacote de ajuda à Ucrânia

Biden insiste que "a memória está boa" quando a investigação de documentos cita a sua "precisão e memória limitadas"