Última hora
This content is not available in your region

Ursula von der Leyen e Boris Johnson satisfeitos com acordo

Access to the comments Comentários
De  Bruno Sousa
euronews_icons_loading
Primeiro-ministro britânico e presidente da Comissão Europeia em Bruxelas há duas semanas
Primeiro-ministro britânico e presidente da Comissão Europeia em Bruxelas há duas semanas   -   Direitos de autor  Olivier Hoslet, Pool via AP
Tamanho do texto Aa Aa

Chegou na véspera de Natal a prenda mais desejada para os líderes de União Europeia e Reino Unido. Um acordo comercial que irá reger as relações económicas entre ambos a partir de 1 de janeiro.

A boa nova foi anunciada por Ursula von der Leyen, que se congratulou pela prevalência dos valores europeus:

"É um acordo justo e equilibrado, a opção correta e responsável para ambas as partes. A concorrência no mercado único irá continuar a ser leal. Os regulamentos e padrões europeus irão continuar a ser respeitados e temos mecanismos para reagir se houver uma distorção na concorrência leal que tenha impacto no comércio."

Apesar do divórcio, a presidente da Comissão Europeia assegurou que Londres e Bruxelas continuam de mãos dadas: "Iremos continuar a cooperar com o Reino Unido em todas as áreas de interesse mútuo, por exemplo, nos campos das alterações climáticas, da energia, da segurança e do transporte".

Apesar de von der Leyen ter destacado a vitória da ideologia europeia e a existência de mecanismos para punir os britânicos em caso de incumprimento, Boris Johnson sublinhou que o importante era o Reino Unido ter recuperado a soberania e já não depender das imposições de Bruxelas.

Ainda assim, o discurso a nível da cooperação é o mesmo em ambos os lados do canal da Mancha:

"(O acordo) vai criar empregos e prosperidade em todo o continente. Não acho que seja negativo o Reino Unido agir de forma diferente, ou abordar a legislação de forma diferente, porque os nossos objetivos são basicamente os mesmos."

O acordo ainda precisa ser ratificado por ambos os parlamentos mas coloca um ponto final a uma maratona negocial de vários anos para permitir a saída do Reino Unido da União Europeia no primeiro dia de 2021.