Última hora
This content is not available in your region

Irlanda preparada para o "Brexit"

euronews_icons_loading
Irlanda preparada para o "Brexit"
Direitos de autor  Euronews
Tamanho do texto Aa Aa

A Irlanda está pronta para enfrentar o "Brexit". O país contratou 1500 novos funcionários para fazer face à nova burocracia nas alfândegas. Este é o porto de Dublin, a principal porta de entrada e saída de mercadorias do país. A partir deste 01 de janeiro os camiões que aqui chegam terão de enfrentar muitos e morosos processos burocráticos.

"As remessas provenientes do Reino Unido serão sujeitas a dois tipos de controlos. Todas as remessas serão sujeitas a controlos aduaneiros e depois certas categorias de remessas serão sujeitas ao que chamamos controlos sanitários e fitossanitários, controlos SPS. Os controlos SPS aplicar-se-ão a todos os animais vivos, produtos vegetais e vegetais regulamentados, produtos de origem animal tais como carne, leite, produtos germinais, sémen ova e embriões. Aplicar-se-ão também aos subprodutos animais, como lhes chamamos. Estes são produtos que não se destinam ao consumo humano", explica Hazel Sheridan, do Departamento irlandês da Agricultura.

Inglaterra tem servido de ponte sem restrições para as empresas de transporte irlandesas que transportam produtos de e para a Europa continental através de numerosos portos como Calais e Roterdão.

A 200 quilómetros a sul de Dublin, o Porto de Rosslare prepara-se para o aumento do tráfego. O Estado vai gastar mais de 100 milhões de euros para construir novas estradas, vias de acesso, parques de estacionamento, entre outras infraestruturas. Um operador marítimo dinamarquês prepara-se para lançar um novo serviço de seis viagens por semana entre Rosslare e Dunquerque, em França.

O diretor de operações do Porto de Rossler, Glen Carr, conta que "assistimos também a um aumento significativo das viagens diretas de Rosslare/Europort para a Europa continental. Rosslare/Europort é o porto mais próximo da Europa continental, e a partir de janeiro passaremos dos nossos serviços atuais, que são cinco por semana para a Europa continental. Vamos aumentar isso para 14 serviços diretos por semana a partir de janeiro, passando para 15 em março".

A direção do porto de Rosslare diz que as suas viagens para Cherbourg, em França, e Bilbao, em Espanha, podem demorar mais tempo, mas irão contornar longas filas em portos de Inglaterra, que foram bastante acessíveis nos últimos anos.

"Mais de 100 milhões de euros deverão ser gastos, aqui nos próximos meses, na construção de infraestruturas para fazer face ao tráfego adicional. Para muitos camionistas que transportam mercadorias para a Europa continental será uma via lenta e inconveniente, mas o Brexit está aí e essa inconveniência vai ser a nova realidade", relata o jornalista da euronews Ken Murray.