Última hora
This content is not available in your region

Pouco movimento no porto de Calais em direção ao Reino Unido

De  Isabel Marques da Silva  & Jack Parrock
euronews_icons_loading
Pouco movimento no porto de Calais em direção ao Reino Unido
Direitos de autor  KENZO TRIBOUILLARD/AFP
Tamanho do texto Aa Aa

O porto de Calais está calmo no primeiro dia útil após o fim do período de transição do Brexit. Estão programadas apenas seis viagens de ferry, metade do habitual na travessia do Canal da Mancha, entre a França e o Reino Unido.

"Está extremamente frio, húmido e ventoso, mas não há muita pressão sobre as autoridades portuárias. Não há muitos camiões a passar e são também poucos os automóveis", relatou o enviado da euronews, Jack Parrock.

Muitas empresas ainda tentam perceber como pôr em prática a nova regulamentação antes de enviarem os camiões, sobretudo depois do caótico engarrafamento na época de Natal, que durou vários dias.

Grande investimento nos controlos aduaneiros

Os gestores dos principais portos europeus dizem que já estão prontos para aplicar as novas regras, tendo gasto milhares de milhões de euros na adaptação de infra-estruturas e contratação de pessoal para fazer controlo aduaneiro.

Foi o caso do porto belga de Zeebrugge, que desenvolveu um novo sistema de registo para ajudar na logística, explica o gestor Tom Hautekiet: “Criamos uma empresa para fazer uma plataforma de dados que fosse prática e transparente para as empresas transportadoras e para a polícia poderem aprovar cada camião que tem de passar".

"Também temos uma espécie de sistema de luzes e vias verdes para pré-selecionar, em Bruxelas ou no Luxemburgo, os camiões que se dirigem ao porto de Zeebrugge por forma a verificar que poderão entrar rapidamente no terminal", acrescentou.

Poderá vir a verificar-se uma maior pressão de tráfego no porto de Dublin, na ilha da Irlanda, já que muitos operadores de camionagem dizem preferir apanhar um ferry nessa cidade diretamente para o continente, evitando passar pelo Reino Unido.