Burocracia excessiva do pós Brexit ameaça famílias britânicas

Access to the comments Comentários
De  Francisco Marques  com AFP
Burocracia excessiva do pós Brexit ameaça famílias britânicas
Direitos de autor  David Young/AP

Os supermercados do Reino Unido começam já a dar sinais da falta de produtos nas prateleiras devido às dificuldades impostas aos transportadores pelas novas regras do Brexit, repletas de papelada e controlos alfandegários.

Os camiões na fronteira do Reino Unido, para entrar na União Europeia e vice versa, continuam a enfrentar dias de espera para resolver as burocracias impostas pelo acordo pós Brexit, agravadas também pelo controlo sanitário exigido contra a propagação da Covid-19.

Para camionistas como o polaco Petar Loba, esta situação "não é boa" porque "implica demasiada papelada e demasiada espera". "Temos de esperar para tudo e isso não é bom", reforça.

A excessiva demora está a levar os agentes de expedição a alertar para a possibilidade de as transportadoras poderem começar a recusar serviços para a Grã-Bretanha e com isso ameaçar o abastecimento de alimentos para as famílias britânicas.

Um desses agentes, John Shirley, explica-nos que "os camionistas são muitas vezes pagos ao quilómetro e, se tiverem de passar a maior parte do tempo parados, como está a acontecer, vão começar a deixar passar as encomendas ou simplesmente informar os chefes de que não querem voltar ao Reino Unido e que apenas vão passar a aceitar serviços dentro da União Europeia".

"É isso que vai acontecer”, antevê este agente de expedição de transportes.

Na ilha vizinha da Irlanda, alguns supermercados da Irlanda do Norte, que é parte do Reino Unido, a falta de produtos já começa a ser uma realidade nas prateleiras devido ao fraco abastecimento oriundo de Inglaterra.

O gerente de supermercado Kieran Sloan conta-nos que tem ficado privado de algumas das encomendas que fez.

Os fornecedores até estão a aceitar os pedidos, mas depois ligam-lhe a dizer que não vão poder fazer a entrega até nova ordem.

“As empresas estão a aceitar as encomendas, mas depois voltam a contactar-nos para informar que não vão poder fazer a entrega até nova ordem", lamenta o gerente do Sawers.

Com a cadeia de fornecimento britânica intermitente, a única opção para estes lojistas norte-irlandeses é continuar a encher as montras com produtos oriundos de Espanha, França e Itália que recebem via Irlanda, numa cadeia protegida especificamente pelo acordo pós Brexit com a União Europeia para a ilha irlandesa.