Última hora
This content is not available in your region

Kim Jong Un deixa mensagens a Seul e Washington

euronews_icons_loading
Kim Jong Un deixa mensagens a Seul e Washington
Direitos de autor  朝鮮通信社/AP
Tamanho do texto Aa Aa

Depois de admitir erros e dizer que o plano de desenvolvimento económico do país falhou em quase todas as áreas, Kim Jong Un defendeu a necessidade de rever laços com a Coreia do Sul e de "expandir e desenvolver relações externas em profundidade".

Segundo a Agência Estatal de Notícias, as declarações foram feitas no terceiro dia do Congresso do Partido dos Trabalhadores durante uma comunicação sobre a orientação geral e a posição política do partido.

A mudança de discurso do líder norte-coreano não surpreende os observadores que já esperavam que Kim Jong Un utilizasse o primeiro congresso do partido no poder em cinco anos para enviar gestos conciliatórios para Seul e Washington.

A Coreia do Norte está cada vez mais isolada e enfrenta problemas económicos cada vez mais profundos.

O congresso acontece numa altura em que as relações com os Estados Unidos continuam suspensas e pouco antes de Joe Biden tomar posse. Durante um debate presidencial em outubro, Biden chamou Kim Jong Un de "bandido" e criticou Donald Trump por ser amigo do líder da Corei do Norte.