Última hora
This content is not available in your region

"Os manifestantes estavam à vontade"

euronews_icons_loading
"Os manifestantes estavam à vontade"
Direitos de autor  John Minchillo/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.
Tamanho do texto Aa Aa

A invasão do capitólio vai ficar para a história como um dos episódios mais negros da história política dos Estados Unidos e mancha para sempre o mandato de Donald Trump, que vive os últimos dias. Os acontecimentos deixam muitas questões sobre a forma como foi organizada a segurança do edifício, sem um reforço policial que permitisse fazer frente ao que aconteceu.

Fotos de Saul Loeb (AFP)

Vão sendo conhecidos novos vídeos amadores, gravados pelos participantes, que dão mais detalhes sobre o que se passou. O fotojornalista Saul Loeb, autor de algumas das mais icónicas imagens da invasão, conta as histórias por detrás: "Ouvia os manifestantes entoar cânticos de apoio a Donald Trump e centenas de pessoas, vindas de todos os lados, a dirigir-se para a rotunda do Capitólio. As pessoas que invadiram o gabinete de Nancy Pelosi não estavam minimamente preocupadas com a presença da Comunicação Social. Éramos dois jornalistas dentro do gabinete. Este manifestante em particular (fotografado com os pés em cima da secretária de Pelosi, que roubou parte da correspondência da Presidente da Câmara dos Representantes) não se sentiu nada incomodado em saber que a cara dele iria ser conhecida".

Foto de Saul Loeb (AFP)
As pessoas que invadiram o gabinete de Nancy Pelosi não estavam minimamente preocupadas com a presença da Comunicação Social.
Saul Loeb
Fotojornalista, AFP
Manifestantes destroem material da AP

Se o repórter da AFP se sentiu em segurança, o mesmo não pode dizer a equipa da Associated Press, cujo material foi vandalizado e destruído pelos manifestantes. Dois jornalistas do Washington Post foram detidos pela polícia. Não são conhecidos episódios de agressões a profissionais da comunicação social.