Última hora
This content is not available in your region

Reino Unido em confinamento contra a Covid-19

De  Nara Madeira com AFP/AP
euronews_icons_loading
Reino Unido em confinamento contra a Covid-19
Direitos de autor  AFP
Tamanho do texto Aa Aa

Com dezenas de milhares de infetados, diariamente, há vários dias - mais de 400.000 só na semana passada - o Reino Unido regressou ao confinamento para tentar travar uma pandemia que teima em não dar tréguas.

Às ruas vazias de Londres contrapõem-se hospitais que caminha para a sobrelotação. A esperança reside na vacinação que arrancou há vários dias no país. Nikki Kanani, diretora dos Cuidados Primários do Serviço Nacional de Saúde de Inglaterra (NHS England), mostra-se "muito preocupada" com a situação atual. "Podemos ter entre uma a 30 pessoas infetadas com a nova variante do coronavírus e, muitas vezes, são assintomáticas. Por isso, é mais importante do que nunca implantarmos este programa de vacinação e proteger as pessoas", esclarece.

Mais de um milhão de britânicos, entre os mais vulneráveis, foram já vacinados no Reino Unido, entre eles a rainha Isabel II e o seu marido. Mas os desafios vão continuar nos próximos meses e pede-se aos cidadãos respeito pelas regras.

Matt Hancock, secretário britânico para a Saúde, alerta que o desafio, aqui, é que cada flexibilização pode ser fatal. "Você pode olhar para as regras pensando que não muda nada se se fizer isto ou aquilo... Mas essas regras não existem para ser contornadas. Elas estabelecem o limite daquilo que é possíveis as pessoas fazerem", avisa.

Enquanto especialistas alertam para o facto de a situação poder tornar-se pior do que no confinamento da primavera a oposição aponta baterias ao governo. Keir Starmer, líder dos Trabalhistas, o partido da oposição, diz que "o problema têm sido as mensagens confusas vindas do governo. Coma fora, não coma fora, volte ao trabalho, não volte a trabalhar, fique em casa, não fique em casa".

Na sexta-feira atingiu-se um novo recorde de mortes no país, 1.325, que soma 81 mil. Mas o executivo espera dar a volta à situação com as restrições impostas e espera dos britânicos alguma paciência e responsabilidade.