Última hora
This content is not available in your region

Governo irlandês vai pedir desculpa por abusos contra mães solteiras

euronews_icons_loading
Governo irlandês vai pedir desculpa por abusos contra mães solteiras
Direitos de autor  AFP
Tamanho do texto Aa Aa

O governo irlandês vai apresentar uma desculpa formal pelos abusos ocorridos em casas geridas pela Igreja e dedicadas a mães solteiras.

Entre 1922 e 1998 cerca de 55 mil mães solteiras e grávidas eram obrigadas a mudarem-se para estas casas.

A mãe de Fionn tinha 19 anos quando ele nasceu. Há pouco tempo Fionn descobriu a verdade sobre o seu passado.

"Logo depois de ter nascido ela mudou de ideias e disse que queria ficar comigo, as freiras da casa recusaram e disseram-lhe que tinha assinado os documentos e por isso tinham-lhe sido retirados os direitos à criança. Levou-me 40 anos a mim e à Jane para descobrir que tudo isto era uma mentira, que lhe mentiram. Ao abrigo da lei da adoção de 1952, que abarca todas as adoções ocorridas na Irlanda, a mãe natural tem até seis meses depois do nascimento para mudar de ideia. As freiras deveriam saber isto", denuncia Fionn Davenport, nascido numa casa para mães solteiras em Dublin.

Fionn adianta que a instituição separou a mãe da criança imediatamente e que a mãe não era autorizada a amamentar o filho, apenas outras crianças.

Segundo Mary, nascida numa destas instituições, a passagem por estas casas era uma experiência humilhante.

"Ela fez as minhas próprias roupas de bebé e depois de ter sido entregue à mãe adotiva, as freiras vieram entregar-lhe as roupas e disseram-lhe que eu já não ia precisar destas roupas pois tinha roupas verdadeiras agora. Isso partiu o coração à minha mãe", afirma.

Mulheres e crianças sofreram com falta de cuidados médicos o que levou a 9 mil mortos, segundo o relatório publicado esta terça-feira.

O primeiro-ministro irlandês reagiu afirmando que a sociedade tratou mulheres e crianças de forma "excecionalmente má".

"Abre uma janela sobre a cultura profundamente misógina que predominou na Irlanda durante várias décadas e a discriminação sistemática das mulheres, principalmente as mães solteiras", afirmou Micheal Martin.

O primeiro-ministro adiantou que agora é preciso lidar com esta questão enquanto sociedade.

O relatório levou cinco anos a completar e abarca um período de 76 anos.