EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Cientistas contestam decisão de manter escolas abertas

Escolas não fecham
Escolas não fecham Direitos de autor RTP
Direitos de autor RTP
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Em entrevista à euronews, o epidemiologista Manuel Carmo Gomes diz que é preciso, urgentemente, voltar ao ensino à distância.

PUBLICIDADE

Das medidas anunciadas esta segunda-feira por António Costa para reforçar o confinamento, havia uma que muitos esperavam que fosse tomada, mas que não se concretizou: O fecho das escolas.

Contra a argumentação do governo de que mandar os alunos para casa por uma segunda vez seria prejudicial e que as aulas presenciais não são um fator importante de transmissão do vírus está uma boa parte da comunidade científica. Entre os mais críticos está o epidemiologista Manuel Carmo Gomes, que defende que os jovens são quem mais está a espalhar o vírus.

"Eu não pretendo discutir onde é que os jovens se infetam - Se é nas escolas, à porta das escolas, nos transportes públicos, nos cafés nas imediações das escolas. Neste momento, isso é uma discussão académica que não me interessa. O que interessa é que isto é um reservatório enorme de infeção na comunidade. Temos de tomar medidas muito firmes para conseguir parar a ascensão desta epidemia. As medidas tomadas não são, a meu ver, suficientes. Vamos continuar a ver os números subir e não vamos desacelerar como poderíamos desacelerar se tivéssemos colocado os jovens em ensino à distância. Seria uma coisa de algumas semanas, não seria o semestre todo, mas seria o necessário para tomar uma ação decisiva neste momento", disse o especialista em entrevista à euronews.

Euronews
Manuel Carmo GomesEuronews
As aulas presenciais são um reservatório enorme de infeção na comunidade. Temos de tomar medidas muito firmes para conseguir parar a ascensão desta epidemia.
Manuel Carmo Gomes
Epidemiologista

O presidente Marcelo Rebelo de Sousa parece ter também dúvidas sobre a decisão de manter as aulas presenciais, uma vez que pediu uma nova reunião com os especialistas para avaliar a situação. O chefe de Estado assinou o decreto do governo sobre o fortalecimento das medidas, mas na nota da presidência especifica que vai haver uma nova reflexão com os especialistas sobre o atual ano letivo. Com o aumento do número de casos e de mortes por Covid, crescem os pedidos para medidas pelo menos tão restritivas como as de março.

Editor de vídeo • Ricardo Figueira

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Portugal com 218 mortes por Covid-19 em 24 horas

Portugal: 50 anos depois da revolução dos cravos

Quem são os novos ministros do Governo de Luís Montenegro