EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Novo recorde de mortes no dia em que Portugal fechou as portas

Ambulâncias junto ao Hospital de Santa Maria, Lisboa
Ambulâncias junto ao Hospital de Santa Maria, Lisboa Direitos de autor MÁRIO CRUZ/ 2021 LUSA - Agência de Notícias de Portugal, S.A.
Direitos de autor MÁRIO CRUZ/ 2021 LUSA - Agência de Notícias de Portugal, S.A.
De  Bruno Sousa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Renovação do Estado de Emergência tenta travar covid-19 através da limitação de saída de portugueses para o estrangeiro e do regresso ao ensino à distância

PUBLICIDADE

A saída de cidadãos portugueses para o estrangeiro será limitada nas duas próximas semanas, quer por via aérea, quer por via terrestre, para sua proteção e para limitar a propagação do surto de covid-19. O anúncio foi feito pelo ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, após a renovação do Estado de Emergência pela Assembleia da República.

Além da limitação de circulação, as novas medidas excecionais, permitem ainda a mobilização de profissionais da saúde reformados, na reserva ou formados no estrangeiro.

O diploma estará em vigor de 31 de janeiro a 14 de fevereiro, mas Marcelo Rebelo de Sousa já afirmou que o Estado de Emergência seria renovado sucessivamente até ao fim do seu primeiro mandato, a 9 de março.

A intensificação da luta contra a covid-19 surge no dia em que foi batido mais um recorde em território português, com 16 432 novos casos e 303 óbitos associados à doença, naquela que foi a primeira vez que foi ultrapassada a fasquia das três centenas de mortes no espaço de 24 horas.

De acordo com a ministra da Saúde, Marta Temido, cerca de 50% dos casos ativos na região de Lisboa e Vale do Tejo estão relacionados com a variante britânica do SARS-Cov-2.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Alta pressão" no Hospital de Santa Maria

Políticos portugueses vacinados a partir da próxima semana

Marcelo promete ser da união e não "de fação"