Última hora
This content is not available in your region

Obra inédita de Mozart causa sensação em Salzburgo

euronews_icons_loading
Obra inédita de Mozart causa sensação em Salzburgo
Direitos de autor  euronews
De  Katharina Rabillon
Tamanho do texto Aa Aa

Uma peça desconhecida de Mozart causou sensação durante a edição virtual da MozartWoche, em Salzburgo, na Áustria.

“É absolutamente incrível ver a partitura e ouvir a música de uma obra que nunca tínhamos ouvido", disse à euronews o tenor mexicano Rolando Villazón, diretor artístico do evento.

A euronews foi autorizada a ver o manuscrito original do compositor austríaco, que data provalvelmente do início de 1773. O documento foi adquirido por um colecionador privado.

“É extremamente interessante ver esta letra, pouco habitual para Mozart. Claro que tem as características de Mozart, mas, a partitura foi escrita muito rapidamente. Além disso, o papel não é um papel usado para escrever música, é uma folha normal em que Mozart desenhou uma pauta”, referiu Ulrich Leisinger, diretor do Departamento de Investigação da Fundação Mozarteum.

Mozart terá escrito a obra, aos dezassete anos, depois de uma viagem a Itália. A estreia mundial da obra descrita como um "Allegro dançante en Ré" decorreu em Salzburgo pela mão do pianista coreano Seong-Jin Cho.

“Esta música é muito alegre e deliciosa. É também lúdica. Sentimos que foi escrita por Mozart, o jovem Mozart. podemos sentir a emoção pura", referiu o pianista coreano.

euronews
Pianista coreano Seong-Jin Choeuronews

Visível desde a infância, o génio de Mozart exprime-se desde as primeiras árias que sobreviveram ao tempo, como "Va, dal furor portata" composta aos nove anos.

“É uma peça dramática sobre o furor, o seu furor. Havia algo dentro dele que era um prenúncio do futuro, como Don Giovanni e como todas as suas grandes obras dramáticas”, sublinhou a maestrina Keri Lynn Wilson.

“Podemos ver o jovem Mozart, pleno de juventude, ambição e energia. Mozart pega-nos na mão e caminha conosco nos tempos difíceis. Mozart leva-nos sempre em direção à luz”, resumiu Rolando Villazón.

EURONEWS
MAESTRINA KERI-LYNN WILSONEURONEWS