Última hora
This content is not available in your region

Vacinas obrigam a coreografia rigorosa

euronews_icons_loading
Vacinas obrigam a coreografia rigorosa
Direitos de autor  AP / Eugene Hoshiko
Tamanho do texto Aa Aa

Os movimentos têm de ser cuidados, precisos e rápidos no manuseamento dos frascos que contêm o líquido mais procurado do momento. A vacina do consórcio Pfizer/BioNTech chega a Itália de avião. Segue depois para os centros regionais. Em Livorno, é armazenada em congeladores gigantes que se encontram dentro de um bunker na cave do hospital.

"Temos apenas 3 minutos para os retirar da embalagem original da Pfizer e pô-los no congelador, sem descongelar o produto. O importante é não descongelar e voltar a congelar e assegurar que o produto congelado é imediatamente guardado a 80 graus negativos," diz Giuseppe Taurino, da Agência de Saúde do noroeste da Toscânia.

Armazenados a temperaturas muito baixas, os frascos só são descongelados quando enviados, no dia seguinte, para os centros locais, que os devem utilizar no prazo de 5 dias.

Francesca Azzena, diretora de farmácia na União de Hospitais de Livorno, sublinha que os profissionais da área têm uma grande capacidade de adaptação, mas que mesmo assim "o impacto tem sido considerável, especialmente pela rapidez com que as coisas acontecem e pela forma como mudam". A pandemia obrigou a uma adaptação até do ritmo de trabalho.

O tempo é crucial

A vacina só pode estar fora da cadeia de frio durante alguns minutos. Não se pode permitir desperdiçar a substância, especialmente agora, quando a escassez de vacinas é uma grande preocupação nos países europeus.

As falhas no fornecimento da substância colocaram ainda mais pressão sobre as autoridades italianas, obrigadas a aumentar o nível de coordenação entre todos os centros envolvidos.

Giuseppe Taurino explica que "todos os agentes de saúde ajudaram no armazenamento de vacinas e permitiram a sua disponibilização nos locais onde faltavam. É uma espécie de ajuda mútua entre empresas hospitalares e agentes locais".

A Europa espera que a aprovação da vacina da Moderna, que não tem de ser armazenada a temperaturas tão baixas, ajude a aumentar rapidamente o número de pessoas vacinadas.