Última hora
This content is not available in your region

Covid não cede às restrições na Europa

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Covid não cede às restrições na Europa
Direitos de autor  euronews
Tamanho do texto Aa Aa

A enorme fila de ambulâncias à porta do Hospital de Santa Maria, em Lisboa, é tanto preocupante, como um retrato da gravidade e amplitude da crise da Covid-19 em Portugal.

A instituição lisboeta é a imagem de unidades hospitalares por todo o país, que se encontram sobrelotadas. Esta sexta-feira, 60 pacientes estavam à espera de internamento em Santa Maria.

Daniel Ferro, presidente da administração do Hospital de Santa Maria:"Termos esta quantidade de ambulâncias, no fundo é o reflexo do que está a acontecer no país e na região, com infeções muito elevadas e, portanto, tentarmos controlar e regular o melhor possível... Esta situação é uma situação em que as pessoas, apesar da sobrecarga que temos no serviço de urgência, no próprio hospital, nos internamentos, a situação é de uma enorme pressão, de uma sobrecarga de trabalho para todos os serviços e todos os profissionais e nós, no fundo, temos que racionalizar, ou temos que utilizar criteriosamente os recursos que estão nos hospitais."

O último balanço diário em Portugal é de 278 mortos e 13200 novos casos.

Em França, as restrições em vigor continuam a não conseguir reter a propagação da pandemia, com 23000 novas contaminações registadas nas últimas 24 horas.

O presidente Emmanuel Macron reuniu novamente esta sexta-feira um "conselho de defesa sanitária", na sequência do qual o primeiro-ministro Jean Castex apelou ao respeito das regras, frisando que "é preciso fazer tudo para evitar um novo confinamento".

Em Praga, a emblemática Ponte Carlos tornou-se no palco de um protesto contra as restrições anti-Covid decretadas pelo governo, com vários carros estacionados e deixados ao abandono com mensagens contra o executivo.

A contestação social contra as restrições é uma realidade em vários países europeus, a par com o reforço das medidas sanitárias, que esta semana passaram, nomeadamente, pelo fecho de fronteiras aos estrangeiros, como é o caso na Noruega. O aeroporto de Oslo estava, esta sexta-feira, praticamente vazio.