EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Parlamento aprova despenalização da eutanásia

Sessão plenária no Parlamento, Lisboa (imagem de arquivo)
Sessão plenária no Parlamento, Lisboa (imagem de arquivo) Direitos de autor MANUEL DE ALMEIDA/ 2020 LUSA - Agência de Notícias de Portugal, S.A.
Direitos de autor MANUEL DE ALMEIDA/ 2020 LUSA - Agência de Notícias de Portugal, S.A.
De  Rodrigo Barbosa com Lusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Texto deve agora ser promulgado pelo presidente Marcelo Rebelo de Sousa

PUBLICIDADE

O Parlamento português aprovou esta sexta-feira, em votação final global, a despenalização da eutanásia.

A nova lei que legaliza a morte medicamente assistida passou na assembleia com uma maioria confortável. Votaram contra as bancadas do PCP, CDS e Chega, mais 56 deputados do PSD e 10 do PS.

O texto seguirá nos próximos dias para o Palácio de Belém. O presidente Marcelo Rebelo de Sousa deverá aprovar o texto, mas pode também vetá-lo ou enviá-lo para o Tribunal Constitucional.

Prevendo já a aprovação no Parlamento, várias instituições que têm promovido as mobilizações contra a lei, incluindo a União das Misericórias, a CUF, a Cáritas e a Universidade Católica, lançaram um derradeiro apelo ao chefe de Estado português, para que bloqueie a lei.

Se a lei for promulgada, Portugal tornar-se-á no quarto país na Europa, e o sétimo no mundo a despenalizar a morte medicamente assistida.

O texto precisa que a eutanásia só é possível, com a assistência de um médico, para maiores de 18 anos, sem problemas ou doenças mentais e que se encontrem numa situação de sofrimento e padeçam de uma doença incurável.

Editor de vídeo • Rodrigo Barbosa

Outras fontes • Expresso / Público

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Novo governo já tomou posse. Marcelo deixa aviso: "Mandato será complexo"

À quarta foi de vez: Aguiar Branco eleito presidente da Assembleia da República

Marcelo já começou a ouvir os partidos para indigitar o novo primeiro-ministro