EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Europa de olhos postos na vacina russa

Europa de olhos postos na vacina russa
Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Hungria foi o primeiro, mas há outros países da União Europeia, como França e Alemanha, à espera que a EMA aprove a vacina russa para a encomendarem

PUBLICIDADE

A Sérvia é um dos países mais avançados da Europa na administração das vacinas. O país, que aspira entrar na União Europeia, tem fortes laços com a Rússia e encomendou vacinas à Rússia e à China. O governo pretende comprar as vacinas disponíveis no mercado e deixar os cidadãos escolherem as que querem tomar. A primeira-ministra, Ana Brnabic, diz que numa crise de saúde global, não entram considerações geopolíticas.

"A Sérvia esteve entre os poucos países que não consideraram a compra e distribuição de vacinas como uma questão geopolítica e é por isso que penso que somos tão bem sucedidos. A única questão relevante para nós é se se trata de uma vacina segura e eficaz e penso que o mundo teria um aspeto muito diferente, hoje, se todos olhassem para a vacina como uma questão de saúde e não como uma questão geopolítica".

Para além da geopolítica, o Ocidente também tem preocupações com a segurança da Sputnik V, por ter sido desenvolvida tão rapidamente e pela forma como foi promovida por Moscovo,

Nicu Popescu, Diretor da Wider Europe , refere: "Sabemos que na Rússia muitos médicos se recusam a tomar a vacina; o presidente russo até agora não foi vacinado com a vacina russa e as sondagens de opinião mostram bastante desconfiança na Rússia, em relação à vacina russa. E penso que isso se deve em parte ao facto de a Rússia ter enfatizado e politizado a promoção da sua vacina em agosto e setembro, o que, a médio prazo, diminuiu de facto a confiança na sua eficácia".

Apesar dessas preocupações, a Hungria já autorizou a utilização da vacina russa e, face à escassez no fornecimento, outros países da UE como a Alemanha e a França, poderão seguir-se, se obtiverem a aprovação da Agência Europeia do Medicamento (EMA).

Gabriel Attal, porta-voz do governo francês, não deixa dúvidas: "Logo que um laboratório pede o registo da sua vacina na Agência Europeia do Medicamento, a questão é examinada, sem ter em conta a nacionalidade. O que queremos é que seja segura e penso que é o caso da vacina russa, que será examinada como todas as outras".

A Comissão Europeia procura alternativas para o abastecimento de vacinas, sobretudo após os problemas com a Astrazeneca. Bruxelas insiste que, qualquer que seja a origem, a prioridade será sempre a segurança dos cidadãos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Produção da vacina Sputnik V no estrangeiro

China e Sérvia anunciam acordo global de comércio livre

Detidos suspeitos de morte de menina de dois anos