EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Joe Biden diz que os EUA estão de volta

Joe Biden diz que os EUA estão de volta
Direitos de autor Evan Vucci/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved
Direitos de autor Evan Vucci/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved
De  Nara Madeira com AFP, AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Joe Biden anuncia que a diplomacia está de regresso ao centro da política externa dos EUA no seu primeiro discurso sobre a matéria.

PUBLICIDADE

"Os EUA estão de volta" foi essa a mensagem do Presidente norte-americano, Joe Biden, para o mundo no seu primeiro discurso sobre política externa.

O chefe de Estado diz querer ir ao encontro "das ambições crescentes da China", "da determinação da Rússia", dos "desafios globais" do clima e da pandemia de COVID-19:

"A América está de volta. A diplomacia está de regresso ao centro da nossa política externa. Como disse no meu discurso inaugural, repararemos as nossas alianças e voltaremos a envolver-nos com o mundo, não para enfrentar os desafios de ontem, mas os de hoje e os de a manhã", afirmou Biden.

O Democrata afirmou ainda que irá aumentar o esforço diplomático em relação à guerra no Iémen. Estima-se que mais de cem mil pessoas tenham morrido durante os seis anos de conflito que já fez milhões de deslocados:

"Esta guerra tem de acabar, e para sublinhar o nosso compromisso estamos a acabar com todo o apoio americano a operações ofensivas na guerra no Iémen, incluindo a relevante venda de armas".

Biden anunciou ainda o fim dos planos de retirada das tropas das várias bases militares americanas na Alemanha. Há mais de trinta mil efetivos estacionados no país e havia planos para redistribuir cerca de 9.500.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Putin responde a Biden e deseja-lhe saúde

Joe Biden aponta a independência do vírus a 4 de julho

Biden chama nações "xenófobas" à Índia e Japão