EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Indústria têxtil portuguesa teme impacto das máscaras FFP2

Indústria têxtil portuguesa teme impacto das máscaras FFP2
Direitos de autor THOMAS KIENZLE/AFP or licensors
Direitos de autor THOMAS KIENZLE/AFP or licensors
De  Filipa Soares
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Áustria e Alemanha tornaram obrigatório o uso de máscaras FFP 2 nas lojas e nos transportes públicos e França apertou os critérios. Más notícias para a indústria têxtil portuguesa.

PUBLICIDADE

A Áustria e a Alemanha tornaram obrigatório o uso de máscaras FFP 2 nas lojas e nos transportes públicos e a França apertou os critérios para as máscaras, de forma a aumentar a proteção. Más notícias para a indústria têxtil portuguesa, que investiu fortemente na produção de máscaras sociais, um balão de oxigénio durante a pandemia.

A Associação Têxtil e Vestuário de Portugal estima que cerca de 10 a 15 mil trabalhadores estejam envolvidos na produção de máscaras têxteis, estando as exportações destes produtos avaliada em cerca de 18,8 milhões de euros por mês.

O CITEVE - Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e do Vestuário de Portugal - já certificou mais de 3500 máscaras, muitas delas para exportação.

"As empresas portuguesas continuam a exportar para outros mercados, mas temos que considerar que o mercado da França e da Alemanha são mercados muito importantes para nós e perdê-los vai ter impacto nas empresas portuguesas", afirma o diretor-geral do CITEVE, Braz Costa.

O diretor geral do CITEVE não tem dúvidas sobre a qualidade das máscaras que o instituto certifica, pelo que só encontra uma explicação para a decisão tomada pela Alemanha e pela Áustria: "Talvez o facto de terem sido perdulários em relação ao controlo da qualidade do que importaram que levou a esta situação de agora, de uma forma radical, terem que impor a utilização das FFP".

"As FFP2 têm um acrescento relativamente às partículas muito pequenas. Mas isso é importante tendo em conta que o vírus tem uma dimensão muito reduzida? Não, não é importante, porque os estudos o que demonstram é que as partículas com uma dimensão muito pequena têm uma probabilidade baixíssima - mil milhões de milhões de gotículas necessárias para poder transportar um vírus", diz Braz Costa.

O CITEVE discorda do uso generalizado das FFP2, por entender que as máscaras cirúrgicas, com uma capacidade de filtração de 95%, ou as máscaras de tecido certificadas que podem, em alguns modelos, filtrar 90% ou mais, são suficientes para proteger as pessoas nas suas atividades diárias.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Bruxelas apresenta política industrial e define setores estratégicos

Portugal primeiro entre os 27 a entregar o PRR à Comissão Europeia

Visitas virtuais da família para combater isolamento da Covid-19