Última hora
This content is not available in your region

12 de fevereiro: Dia Internacional dos Meninos Soldados

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
12 de fevereiro: Dia Internacional dos Meninos Soldados
Direitos de autor  AFP
Tamanho do texto Aa Aa

Síria, Iémen, Somália, Nigéria. Durante a última década, a guerra travou-se em várias geografias do globo. E, embora todos os conflitos sejam diferentes, estas guerras têm uma terrível realidade em comum: Em todas elas, as crianças pegam em armas e nascem meninos-soldados.

Uma história contada na primeira pessoa: "Eu era muito jovem. Um dia eu estava a regressar dos campos com a mãe e o pai e fomos apanhados numa emboscada por um grupo armado chamado "Mayi-Mayi". Eles ameaçaram os meus pais, espancaram-nos e levaram-me para longe da mãe e do pai e para a floresta".

Pablo passou dois anos nas mãos das milícias da República Democrática do Congo, país onde as crianças são frequentemente utilizadas como escudos humanos durante os conflitos. O relato prossegue: "Os momentos mais difíceis foram durante o combate, quando tivemos de ir lutar. Mas era também muito difícil encontrar algo para comer, ou encontrar um lugar para dormir. E havia um problema real quando se tratava de cuidados médicos. Não havia cuidados. Quando adoecíamos, não podíamos ir a um hospital. Era preciso encontrar coisas na floresta para nos curarmos".

A história de Pablo é uma entre milhares. Em todo o mundo, estima-se que 1 em cada 6 crianças é afetada por conflitos e o número das que são forçadas a entrar ativamente na guerra continua a aumentar.

Camille Romain des Boscs, diretora executiva da Associação "Vision du Monde", refere: "Houve um aumento de 75% no número de crianças-soldados nos últimos anos. A pobreza extrema é uma das principais explicações do recrutamento de crianças porque os grupos armados prometem às crianças e às suas famílias que lhes será fornecida comida, que lhes será dada uma educação. É essa promessa que pode aliciar as famílias e atrair as crianças".

Na semana passada, um antigo comandante ugandês do LRA foi considerado culpado de crimes de guerra. O Tribunal Penal Internacional (TPI) rejeitou os argumentos da defesa de que Dominic Ongwen - recrutado em criança, aos 9 anos de idade - era ele próprio uma vítima.

Para Camille Romain des Boscs "Isto ilustra todo o mal que é feito a estas crianças. Mostra como a infância é destruída e como a criança deixa de ser vítima para se tornar a agressora. E realça a importância de pôr fim à prática destas crianças-soldados".

Pôr fim a esta prática é o objetivo do Dia Internacional das Crianças Soldados, instituído pelas Nações Unidas em 2002, para pedir aos líderes políticos e militares que deixem de recrutar crianças para a guerra

Pablo teve uma segunda oportunidade - durante a reabilitação aprendeu carpintaria e encontrou um novo caminho.

Mas para milhares de crianças a guerra é um caminho sem retorno. Neste 12 de fevereiro, a data em que se assinala o Dia da Mão Vermelha, renova-se o pedido para que milhares de crianças não continuem a ficar presas num ciclo infinito de violência.