Última hora
This content is not available in your region

Bélgica: Veredicto do caso "Mawda" gera polémica

Access to the comments Comentários
De  Pedro Sacadura com AP, AFP
euronews_icons_loading
Bélgica: Veredicto do caso "Mawda" gera polémica
Direitos de autor  Virginia Mayo/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

Para quem acompanhou o caso "Mawda" - um escândalo nacional na Bélgica - o veredicto está longe de gerar consenso.

A justiça belga condenou a um ano de prisão com pena suspensa, o polícia acusado de homicídio involuntário da criança iraquiana de 2 anos.

Na noite de 16 para 17 de maio de 2018, durante uma patrulha numa autoestrada da Valónia, a sul de Bruxelas, o agente Victor Manuel Jacinto Gonçalves disparou para intercetar uma carrinha que transportava migrantes e que se recusava a parar. Acabou por atingir a pequena Mawda, precipitando uma tragédia.

"É complicado para um polícia que se encontrava no terreno a atuar ser considerado, a posteriori, como incorreto, quando o ministro do Interior, que é o superior hierárquico, diz que é assim que se deve atuar", sublinhou o advogado do agente de polícia, Laurent Kennes, que contempla a hipótese de recurso da sentença.

A advogada dos pais da vítima disse que a narrativa da polícia sobre os factos é uma "organização coletiva de uma mentira." Selma Benkhelifa denunciou ainda um comportamento desumano, degradante e racista.

"Porque é que os polícias disseram aos paramédicos que a criança caiu da carrinha? Porque é que houve esta versão da criança ser projetada. Não há nada sobre isso", questionou a advogada.

O condutor da carrinha, um curdo iraquiano de 21 anos, foi condenado a quatro anos de prisão.

A pequena Mawda morreu a caminho do hospital, em 2018.

O caso tornou-se num símbolo para ativistas que denunciam a "desumanização" no tratamento de migrantes sem documentos na Bélgica.