EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Bélgica: Veredicto do caso "Mawda" gera polémica

Bélgica: Veredicto do caso "Mawda" gera polémica
Direitos de autor Virginia Mayo/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Direitos de autor Virginia Mayo/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
De  Pedro Sacadura com AP, AFP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Agente da polícia que matou criança iraquiana em 2018 condenado a um ano de prisão com pena suspensa por homicídio involuntário

PUBLICIDADE

Para quem acompanhou o caso "Mawda" - um escândalo nacional na Bélgica - o veredicto está longe de gerar consenso.

A justiça belga condenou a um ano de prisão com pena suspensa, o polícia acusado de homicídio involuntário da criança iraquiana de 2 anos.

Na noite de 16 para 17 de maio de 2018, durante uma patrulha numa autoestrada da Valónia, a sul de Bruxelas, o agente Victor Manuel Jacinto Gonçalves disparou para intercetar uma carrinha que transportava migrantes e que se recusava a parar. Acabou por atingir a pequena Mawda, precipitando uma tragédia.

"É complicado para um polícia que se encontrava no terreno a atuar ser considerado, a posteriori, como incorreto, quando o ministro do Interior, que é o superior hierárquico, diz que é assim que se deve atuar", sublinhou o advogado do agente de polícia, Laurent Kennes, que contempla a hipótese de recurso da sentença.

A advogada dos pais da vítima disse que a narrativa da polícia sobre os factos é uma "organização coletiva de uma mentira." Selma Benkhelifa denunciou ainda um comportamento desumano, degradante e racista.

"Porque é que os polícias disseram aos paramédicos que a criança caiu da carrinha? Porque é que houve esta versão da criança ser projetada. Não há nada sobre isso", questionou a advogada.

O condutor da carrinha, um curdo iraquiano de 21 anos, foi condenado a quatro anos de prisão.

A pequena Mawda morreu a caminho do hospital, em 2018.

O caso tornou-se num símbolo para ativistas que denunciam a "desumanização" no tratamento de migrantes sem documentos na Bélgica.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Julgamento de megaprocesso por tráfico de droga com mais de 120 arguidos arranca na Bélgica

Hunter Biden, filho de Joe Biden, condenado em julgamento por três crimes de posse de arma

Robert de Niro chama "palhaço" a Donald Trump à porta do tribunal