Última hora
This content is not available in your region

China irrita-se com acusação de "genocídio" do povo uigur

euronews_icons_loading
Manifestantes à porta do parlamento canadiano, esta segunda-feira
Manifestantes à porta do parlamento canadiano, esta segunda-feira   -   Direitos de autor  Adrian Wyld/AP
Tamanho do texto Aa Aa

"Provocações maliciosas" - a China reage desta forma à acusação de "genocídio" do povo uigur, aprovada no parlamento canadiano com 78% dos votos. A embaixada da China em Otava reagiu chamando aos deputados canadianos "hipócritas e sem vergonha". Mais tarde, o chefe da diplomacia chinesa reforçou as críticas no mesmo tom.

"Nunca existiu um genocídio, trabalho forçado ou opressão religiosa em Xinjiang. Tais acusações inflamatórias são fabricadas por ignorância e preconceito. São simplesmente provocações maliciosas e politicamente motivadas e não poderiam estar mais longe da verdade," afirmou Wang Yi, o ministro chinês dos Negócios Estrangeiros.

Na região de Xinjiang, no noroeste da China, vivem cerca de 8 milhões de uigures. Várias organizações não governamentais denunciam que mais de um milhão estão detidos em campos de "reeducação política". Pequim sempre desmentiu a acusação, dizendo que são centros de formação profissional concebidos para afastar pessoas do terrorismo e do separatismo.

Na semana passada, depois de uma reunião do G7, o primeiro-ministro canadiano admitiu que "têm sido relatadas em Xinjiang enormes violações dos direitos humanos". Justin Trudeau anunciou na altura que o Canadá estava a consultar os parceiros sobre a utilização do termo "genocídio" Uigur, até agora apenas usado pela administração Donald Trump.

O parlamento canadiano apela ao primeiro-ministro que atue de imediato e aprovou também uma emenda pedindo que os Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim de 2022 sejam transferidos se o "genocídio" continuar.