This content is not available in your region

Fuga de informações revela crimes contra minoria Uigur

Access to the comments Comentários
De  euronews
euronews_icons_loading
Crimes contra a minoria Uigur na China
Crimes contra a minoria Uigur na China   -   Direitos de autor  أ ف ب

Detenções em massa, condenações arbitrárias e vigilância obsessiva com o poder de matar quem quer que tente escapar. 

Estas as revelações contidas numa fuga de 100 mil documentos pertencentes à polícia chinesa sobre o que acontece nos campos de reeducação da minoria muçulmana da província de Xinjiang.

Os documentos foram autenticados e publicados por vários órgãos internacionais de imprensa. 

A fuga de informações inclui milhares de fotografias de detidos e centenas de milhar de registos de membros da minoria Uigur.

Estima-se que cerca de um milhão de Uigures se encontrem nestes campos de re-educação que o governo chinês afirma serem voluntários. 

Governos, peritos e organizações de direitos humanos não escondem a sua insatisfação.

Isto é como uma janela sobre um estado-policial no qual muito pouca informação sai cá para fora
Adrien Zenz
Antropólogo

"Isto é como uma janela sobre um estado-policial no qual muito pouca informação sai cá para fora. Nunca vimos nada assim", afirma o antropólogo Adrian Zenz.

"Não há dúvida que a China cometeu crimes contra a humanidade aqui, pelo menos no que diz respeito a tortura, maus tratos, prisão e perseguição" acrescenta Theresa Bergmann, da ONG Amnistia Internacional.

Não há dúvida que a China cometeu crimes contra a humanidade
Theresa Bergmann
Amnistia Internacional, Alemanha

Estima-se que um milhão de Uigures vivam em campos de reeducação. 

A publicação do relatório coincide com a chegada à China da Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet.

O governo chinês afirma estar a cooperar de forma ativa para esta viagem acusando os países ocidentais de tentarem sabotar as suas relações externas.