EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Fuga de informações revela crimes contra minoria Uigur

Crimes contra a minoria Uigur na China
Crimes contra a minoria Uigur na China Direitos de autor أ ف ب
Direitos de autor أ ف ب
De  euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A fuga de informações inclui mais de 100 mil documentos contendo detalhes relativos a crimes cometidos nos campos de re-educação

PUBLICIDADE

Detenções em massa, condenações arbitrárias e vigilância obsessiva com o poder de matar quem quer que tente escapar. 

Estas as revelações contidas numa fuga de 100 mil documentos pertencentes à polícia chinesa sobre o que acontece nos campos de reeducação da minoria muçulmana da província de Xinjiang.

Os documentos foram autenticados e publicados por vários órgãos internacionais de imprensa. 

A fuga de informações inclui milhares de fotografias de detidos e centenas de milhar de registos de membros da minoria Uigur.

Estima-se que cerca de um milhão de Uigures se encontrem nestes campos de re-educação que o governo chinês afirma serem voluntários. 

Governos, peritos e organizações de direitos humanos não escondem a sua insatisfação.

Isto é como uma janela sobre um estado-policial no qual muito pouca informação sai cá para fora
Adrien Zenz
Antropólogo

"Isto é como uma janela sobre um estado-policial no qual muito pouca informação sai cá para fora. Nunca vimos nada assim", afirma o antropólogo Adrian Zenz.

"Não há dúvida que a China cometeu crimes contra a humanidade aqui, pelo menos no que diz respeito a tortura, maus tratos, prisão e perseguição" acrescenta Theresa Bergmann, da ONG Amnistia Internacional.

Não há dúvida que a China cometeu crimes contra a humanidade
Theresa Bergmann
Amnistia Internacional, Alemanha

Estima-se que um milhão de Uigures vivam em campos de reeducação. 

A publicação do relatório coincide com a chegada à China da Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet.

O governo chinês afirma estar a cooperar de forma ativa para esta viagem acusando os países ocidentais de tentarem sabotar as suas relações externas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Presidente chinês defende "progressos" em matéria de direitos humanos

China irrita-se com acusação de "genocídio" do povo uigur

Rússia e China juntas em novo exercício militar