Última hora
This content is not available in your region

Fukushima, 10 anos depois

De  Laurence Alexandrowicz  & Serge Rombi
euronews_icons_loading
Fukushima, 10 anos depois
Direitos de autor  euronews
Tamanho do texto Aa Aa

Como o local está a ser limpo

Durante o tsunami, uma onda de 15 metros de altura destruiu 4 dos 6 reatores da central nuclear de Fukushima Daiichi, a norte de Tóquio. Desde a catástrofe, o governo e a Tepco, operadora do local, estão a liderar o desmantelamento da central, o que inclui a descontaminação que deverá estar concluída em 30 a 40 anos.

A central tinha 6 reatores, todos eles encerrados. Os reatores 5 e 6 foram poupados pela onda. O 4 foi esvaziado de combustível. Após o tsunami, a primeira fase foi parar os reatores e evitar novas emissões de radioatividade, despejando água nas instalações.

"O arrefecimento dos reatores foi o mais importante, por isso é que começámos com isso. Depois tivemos de tomar conta das piscinas de combustível", diz Takahiro Kimoto, superintendente adjunto do Centro de Comunicação da TEPCO.

A segunda fase consiste em remover o combustível presente nas piscinas do reator e demora mais 10 anos. No mês passado, a remoção de cerca de dois terços das varas de combustível dos reatores acidentados foi concluída com a utilização de robôs.

A terceira fase envolve a remoção de detritos: uma operação longa e delicada que terá lugar nos reatores 1, 2, e 3 e que foi adiada devido à crise da Covid.

No local, 4000 a 5000 pessoas trabalham diariamente, muitas sem proteção, graças ao esforço pela descontaminação do local, mas não é este o caso nesta secção essencial, nas instalações ALPS. Esta inovação americana, especialmente criada para Fukushima, filtra a água contaminada.

"Aqui, o reator danificado contém combustível fundido e tem de ser arrefecido permanentemente, por isso deitamos água. A água contaminada que sai é absorvida por uma bomba e é enviada para este sistema ALPS e a radiação é praticamente removida, exceto o trítio, para ser finalmente armazenada em tanques", explica Teruki Fukumatsu, da Toshiba Energy Systems.

O trítio é uma parte radioativa da molécula da água, presente na natureza, explica este especialista, que visitou Fukushima 3 vezes. Georg Steinhauser, Universidade Leibniz em Hanôver, explica: "O trítio não se acumula no corpo humano porque ele tem uma meia-vida muito curta. Ingerimo-lo e eliminamos logo. O trítio é geralmente o menor dos problemas".

O trítio é geralmente o menor dos problemas.
Georg Steinhauser
Investigador na Universidade Leibnitz de Hanôver

A água tratada é então armazenada em mil tanques contendo 1,24 milhões de metros cúbicos de água. Mas estes tanques estarão cheios em 2022. Por isso, esta água tem de ser drenada. Foram propostos dois planos: a libertação para o ar ou a descarga no mar. Estas duas soluções preocupam os pescadores e agricultores locais, que receiam que os produtos voltem a ganhar má reputação e que as vendas sofram.

O governo está a considerar a melhor solução, que será implementada dentro de 2 anos, depois de receber luz verde da Autoridade de Segurança Nuclear, um organismo independente criado após o desastre de Fukushima que supervisiona a segurança.

De acordo com os peritos, este acidente não tem comparação com Chernobyl: "Chernobyl, por exemplo, libertou uma enorme quantidade de plutónio e amerício, que têm uma meia-vida de mais de 20 mil anos. Portanto, Chernobyl estará contaminada para sempre. Fukushima é uma história completamente diferente. Como Fukushima libertou apenas pequenas quantidades de plutónio, podemos ignorá-las, são negligenciáveis. O que Fukushima libertou foi césio basicamente radioativo. O césio 137 tem uma meia-vida de 30 anos", diz Georg Steinhauser.

Desde a catástrofe, o Japão alterou as normas de segurança para as suas centrais nucleares e está agora a partilhar a experiência com o mundo.

Entrevista: Christophe Xerri, diretor da Divisão de Ciclo de Combustível Nuclear e Gestão de Resíduos na Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA)

Serge Rombi, euronews: Conhece bem a central elétrica de Fukushima Daichi, a última vez que lá foi foi em 2018. O que falta ainda fazer?

Christophe Xerri: É ainda um grande estaleiro de construção, a parte mais difícil será remover o combustível fundido, o cório ou o combustível dos detritos. É a ser a parte mais difícil e a que exigirá mais tempo.

O Diretor-Geral da AIEA, Rafael Grossi, disse estar impressionado com o progresso do Japão durante a sua última visita em 2020. Como foi a colaboração entre as instituições japonesas e internacionais?

Em representação das Nações Unidas, fomos ao terreno e analisámos o funcionamento. Quando digo "nós", é um certo número de peritos da AIEA, bem como um certo número de peritos internacionais, que convidámos a fazer estas análises connosco, e a conclusão é que os métodos e análises são fiáveis, as medições da radioatividade que são feitas no terreno são fiáveis e, em geral, a forma como o Japão aborda o assunto está de acordo com o que se pode esperar.

O que está em jogo nos próximos meses no que respeita à libertação de água tratada. Será perigosa?

Quanto à questão de ser ou não perigosa, todos os reatores nucleares estão autorizados a libertar pequenas quantidades de radioatividade na água e no ar, tudo isto está sujeito a controlo regulamentar, pelo que, qualquer que seja a decisão do governo japonês, será supervisionada pela autoridade de segurança japonesa, uma vez que estamos no Japão, que estabelecerá os limites que devem ser respeitados.

Que lição foi aprendida com esta catástrofe a nível internacional?

Desde então, muitas coisas têm sido feitas, a começar por testes para reavaliar a segurança das instalações nucleares face a acontecimentos inesperados e vindos do exterior: Essa é uma das lições de Fukushima, lembrar-nos de que uma central nuclear tem de estar a salvo do interior e do exterior.

A União Europeia levantou o embargo aos produtos de Fukushima em 2019: Comeria legumes ou peixe locais?

Como mencionou, fomos ao campo em 2018, visitámos o local, passámos vários dias na região de Fukushima e obviamente comemos produtos da região de Fukushima nessa altura e posso dizer-lhe que vale a pena descobrir a comida da região de Fukushima.

Vale a pena descobrir a comida da região de Fukushima.
Christophe Xerri
Diretor da AIEA

Ao encontro dos habitantes da região

Chegaram a Okuma vindos de todas as aldeias vizinhas. A central elétrica de Fukushima Daiichi está localizada neste município. Hoje, na novíssima câmara municipal, estes antigos deslocados estão a comemorar o 10º aniversário da catástrofe.

A cerimónia terá lugar no novo bairro de Okuma - uma área que é agora acessível e onde a reconstrução continua apesar da epidemia de Covid-19. As zonas que ainda estão fora dos limites continuam a ser cada vez mais pequenas.

Em março de 2011, 88.000 pessoas viviam nas zonas evacuadas da Prefeitura de Fukushima. Atualmente, 14.000 pessoas vivem nas zonas reabertas: "Quando voltei a Okuma não havia nada, apenas abrigos e lojas temporárias, mas agora foram construídos grandes edifícios", conta uma residente.

Em todas as instalações, a radioatividade é medida e tem diminuído muito em 10 anos. O público é constantemente informado, graças às análises efetuadas pelo Centro de Investigação de Fukushima.

"O nível de radioatividade no ar é medido em tempo real em várias partes da cidade. Para os outros elementos, são recolhidas amostras de diferentes locais, tais como o solo e a água. A frequência das análises varia de uma vez por ano a uma vez por mês", dis Takemasa Fukuhara, diretor do Departamento de Pesquisa e Análise, Centro de Criação Ambiental da Província de Fukushima.

Os edifícios foram descontaminados e os terrenos poluídos foram evacuados ou cobertos com solo saudável.

Exceto no local da própria central elétrica, não há mais radioatividade aqui do que nas principais capitais mundiais. A geologia do Japão é, por natureza, menos radioativa do que em qualquer outro lugar e Chernobyl teve um grande impacto na Europa.

Apenas duas semanas após o desastre, Koji Kato e a família regressaram a Fukushima, a 80 km da central. Apaixonados pelas suas terras, o casal Kato produz arroz, mas também serve cerveja caseira no seu bar.

Os agricultores da região sofreram muito após o desastre: A confiança dos consumidores tinha caído. 54 países tinham imposto restrições à importação de alimentos japoneses, entretanto levantadas por 70% deles.

"Até ao ano passado descontaminei através pulverização de produtos, o que resultou em trabalho extra porque tinha de ser capaz de exportar em segurança. Essa era a parte mais difícil. Mas não detetámos qualquer radioatividade durante 5 anos seguidos. Agora só fazemos algumas verificações", conta Koji Kato.

Não detetámos qualquer radioatividade durante 5 anos seguidos.
Koji Kato
Agricultor

Após o acidente nuclear, as exportações da região caíram drasticamente. Apesar dos anos difíceis, duplicaram agora em relação a 2010. Emi Kato tornou-se embaixadora dos produtos de Fukushima em países como França: "As reações foram muito boas. Quando dizia às pessoas que era de Fukushima em todos os países a que fui, não vi muita apreensão e isso surpreendeu-me", conta.

Viver em Fukushima, como para muitos dos deslocados que regressaram, é uma emoção especial para o casal: "Tenho 4 filhos e ficaria feliz se eles pudessem dizer que têm orgulho em ter nascido aqui", diz Emi.

Nome do jornalista • Ricardo Figueira