Última hora
This content is not available in your region

Agência Internacional de Energia Atómica diz estar atenta ao Irão

Access to the comments Comentários
De  Manuel Terradillos  & euronews
euronews_icons_loading
Agência Internacional de Energia Atómica diz estar atenta ao Irão
Direitos de autor  Ronald Zak/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.
Tamanho do texto Aa Aa

O Acordo Nuclear Internacional está por um fio, principalmente desde a saída dos EUA em 2018. O compromisso perdeu força de tal forma que, no mês passado, o Irão aprovou formalmente uma lei para impedir a entrada de observadores internacionais nas instalações nucleares.

Para evitar uma rutura total, a Agência Internacional de Energia Atómica chegou a um acordo temporário.

Em entrevista à euronews, Rafael Grossi, Diretor-Geral da Agência explica que o acordo de 2015 está fora de prazo.

"Não é da noite para o dia que regressamos a 2015. Muita coisa mudou desde então. Temos de ter em conta o que o Irão fabricou, o que foi feito com aquele material: Se se pode vender, se sai do irão, quem o controla", explica. "Há uma série de atividades de investigação que foram proibidas e que o Irão desenvolveu", conta.

As autoridades iranianas ameaçaram recentemente enriquecer urânio até 60%, se necessário. O que se aproxima das acusações sobre uma possível produção de armas nucleares no país.

A Agência Internacional de Energia Atómica diz estar atenta e fala de uma passo grave.

“Acho que seria um retrocesso grave, seria uma situação lamentável e que geraria uma situação de instabilidade gravíssima na região", admite Rafael Grossi.

"Espero que isso nunca aconteça e a AIEA vai tentar fazer a sua parte nesse assunto!, conclui.

O Irão nega estar a produzir armas nucleares, mas sem um novo acordo, não há nem transparência, nem confiança por parte dos outros países.