EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Artista sírio viveu "Guernica" na realidade da guerra

Artista sírio viveu "Guernica" na realidade da guerra
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Anelise Borges
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Agora refugiado em Antuérpia com a família, Ahmad Sheer contou a sua história à euronews.

PUBLICIDADE

"Esta é a Guernica síria. Desenhei-a em 2017. Fiz a fusão do que Picasso pintou com o que senti na guerra na Síria. O que Picasso viu foi incrível - ele tinha esta forma de ler, absorvendo a dor e o choque de uma forma muito forte". As palavras são do pintor sírio Ahmad Sheer, agora refugiado em Antuérpia (Bélgica).

Ahmad Sheer
A "Guernica" síriaAhmad Sheer

A dor e o choque que experimentou no país natal ainda estão gravados na sua arte. O pintor, de 40 anos recusou-se a deixar o seu país até que um dia se viu perante uma escolha: fugir ou juntar-se à guerra: "Estava num autocarro, era professor, um militar entrou no autocarro e começou a pedir documentos de identificação. Perguntou-me qual era o meu nível de treino militar no serviço obrigatório. Eu não queria deixar a Síria, mas envolver-me na guerra é outra coisa. É algo que eu não podia fazer", conta.

O conflito sírio foi o mais complexo a emergir da chamada "Primavera Árabe". O país viu como as potências estrangeiras alimentam as chamas da guerra dentro das suas fronteiras: "A guerra não foi apenas entre sírios - foi assim que começou, e era assim que deveria ter sido. Mas depois a Rússia entrou no conflito para defender o aliado e começaram os ataques aéreos”, diz Ahmad.

As milícias apoiadas pelo Irão já estavam a prestar apoio terrestre ao presidente sírio Bashar Al Assad, enquanto a oposição contava com o apoio financeiro dos países do Golfo. A Rússia viria a alterar irreversivelmente o equilíbrio de poder.

A "Missão Síria" da Rússia foi lançada em setembro de 2015 - dois meses depois de Ahmad ter deixado o país.

Recordações dolorosas

Olhando para as imagens de destruição de uma escola, recorda-se: "O que estamos a ver neste momento é algo que eu vivi. Quando a minha escola foi bombardeada, a minha escola de infância, foi um momento como este. Vivi estes momentos várias vezes. A imagem da minha família a escapar ficou presa na minha cabeça. E não há maneira de ser removida ou esquecida. É impossível".

A viagem de Ahmed levou-o através da Turquia e depois à Grécia, em direção ao norte da Europa. Na Bélgica, foi-lhe dada uma nova oportunidade e reconhecido o estatuto de refugiado.

Hoje, interroga-se: "É um novo período na minha vida. Um novo período que não é negativo nem positivo, é um novo tempo que eu posso dizer que estou sem país. Ou que talvez esteja à procura de um novo país para mim e para a minha família. O problema é que não sei se a palavra refugiado vai ficar comigo. Quero dizer, mesmo que obtenha uma nacionalidade europeia, continuarei a ser um refugiado? Ou serei um cidadão? Não sei se esta incerteza dura um período curto ou se vai ser permanente".

Nome do jornalista • Ricardo Figueira

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

As histórias dos sírios de Raqqa na Suécia

Canárias recebem dezenas de migrantes por dia e já duplicaram centros de acolhimento

Abertura da Bienal de Veneza marcada pelas guerras