Última hora
This content is not available in your region

A longa caminhada de um bailarino sírio para fugir da guerra

Access to the comments Comentários
De  Anelise Borges
euronews_icons_loading
A longa caminhada de um bailarino sírio para fugir da guerra
Direitos de autor  euronews
Tamanho do texto Aa Aa

Em dez anos de guerra, cerca de 1,4 milhões de Sírios passaram a viver na Europa.

“Quando cheguei a Paris, caminhei oito horas, sem parar. Não conseguia compreender o que se estava a passar. Estou mesmo em França? Juro que não compreendia!", confessou à euronews o bailarino sírio Dorada Jadiba.

O caminho em busca de uma vida mais segura foi longo. O bailarino de 31 anos deixou a cidade natal, Damasco, capital da Síria, logo após o início do conflito.

“No meu bairro, em Yarmuk, um avião passou e deitou uma bomba. E quando a bomba caiu no chão, libertou toda uma série de coisas. Houve uma coisa que me atingiu nas costas perto da coluna. Uma coisa tocou-me perto da coluna e a outra tocoume na perna. O que é eu podia fazer? Era morrer ou ir embora", contou o bailarino sírio.

Na Eslovénia, a polícia perguntou-me: quer ser um refugiado aqui connosco? E eu disse: 'não, quero ir para França'. Então eles levaram–me de volta para a Croácia e os croatas levaram-me de volta até à Sérvia"
Dorado Jadiba
bailarino sírio

Ferido pelos estilhaços, Dorado Jadiba iniciou uma longa viagem que o levou a passar pelo Líbano, pelo Irão, pela Turquia e pela Grécia. Na Europa, teve que enfrentar muitos obstáculos.

“Na Croácia, a polícia croata levou-me de volta para a Sérvia. Eu estava perdido e não sabia o que fazer. Queria voltar para a Croácia, então entrei na Bósnia e depois fui para a Croácia novamente. Depois entrei na Eslovénia. Na Eslovénia, a polícia perguntou-me: quer ser um refugiado aqui connosco? E eu disse: não, quero ir para França. Então eles levaram–me de volta para a Croácia e os croatas levaram-me até à Sérvia novamente", recordou Dorado Jadiba.

Guerra sem solução à vista

Ao longo da última década, todas as tentativas para encontrar uma solução para o conflito na Síria falharam. Houve iniciativas da Liga Árabe, negociações mediadas pela Rússia, pela ONU e pelo Cazaquistão. Nada funcionou.

Dez anos após o início de um conflito que matou centenas de milhares de pessoas, a Síria é um país dividido. Há uma área controlada pelo regime no sul, um território administrado pelos curdos a leste e, no noroeste, um núcleo de opositores armados apoiados pela Turquia.

O homem que as pessoas queriam derrubar mantém-se no poder por meio de um sistema complicado de alianças com nações estrangeiras, prontas para reivindicar favores por o terem apoiado durante um longo conflito.

Depois de uma onda de revoluções que levou ao derrube de vários regimes na região, o presidente da Síria pode, em teoria, dizer que ganhou, mas, apenas, em teoria.

"Ninguém ganhou esta guerra. Perdemos muitas coisas. Perdi muitos amigos, perdi o meu primo. Todas as famílias sírias perderam alguém", concluiu o bailarino sírio.