Obras recomeçam no Palácio da Justiça de Bruxelas

Obras recomeçam no Palácio da Justiça de Bruxelas
Direitos de autor via AFP video
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Quase quatro décadas depois, recomeçam as obras de renovação do edifício do Tribunal de Justiça de Bruxelas, na Bélgica.

PUBLICIDADE

O Palácio da Justiça em Bruxelas tornou-se numa anedota na Bélgica.

O edifício está, há quase quatro décadas, com andaimes e à espera da prometida obra de renovação.

No entanto, parece que chegou mesmo a hora. O Governo deu início, em meados de março, aos trabalhos de renovação, estimados em 87 milhões de euros.

Habituados a décadas de inércia, advogados e magistrados permanecem cautelosos e mesmo céticos.

O presidente do Tribunal de Cassação, Jean de Codt, afirma que "há desconforto, há salas de tribunal e escritórios que se parecem mais com barracas do que com lugares de justiça dignos desse nome".

Infiltrações, estuque a cair dos tetos, janelas partidas que não foram substituídas, estes são apenas alguns dos problemas do Palácio. Partes do edifício tiveram mesmo de ser interditadas pois como conta a escriturária Nathalie Minnen,

"Existe o risco de colapso" num dos corredores. O chão cedeu em vários locais, tornando-se muito instável.

O secretário de Estado para o Controlo de edifícios Mathieu Michel afirma que a primeira fase da obra consiste em estabilizar os andaimes para preparar o caminho para a renovação da fachada principal.

Um trabalho que foi planeado em 1984. E se foram pensados naquela altura, "então são ainda mais indispensáveis hoje".

Atualmente, devido ao avançado estado de degradação, dos 26.000 m2 do Palácio da Justiça de Bruxelas, mais de metade está desocupada.

Estima-se que as obras estejam totalmente concluídas em 2040.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Responsáveis dos atentados de Bruxelas condenados a pesadas penas

Tribunal de Belfast contraria lei britânica de amnistia a autores de atos de violência

Arranca novo julgamento dos quatro egípcios acusados de matar estudante italiano Giulio Regeni