EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Grupo rebelde da República Centro-Africana na via da paz

Luanda
Luanda Direitos de autor DR
Direitos de autor DR
De  Neusa Silva
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Líderes dos Grandes Lagos, reunidos em Luanda, analisaram situação na República Centro-Africana. Maior grupo rebelde aceitou depor as armas e comprometeu-se no caminho da paz. Minicimeira abalada pela morte do presidente do Chade, Idriss Déby.

PUBLICIDADE

A oposição armada da República Centro-Africana (RCA) concordou com um cessar-fogo e com a integração no processo de desarmamento e reintegração, liderado pelo presidente Archange Touadéra, conforme as disposições previstas no Acordo de Cartum.

Os chefes de Estado de Angola, Ruanda, do Congo e da República Centro-Africana analisaram esta terça-feira, em Luanda a situação política e de segurança na RCA.

Durante a minicimeira que decorreu à porta fechada, os chefes de Estado saudaram a recente resolução 2566 do Conselho de Segurança das Nações Unidas que aprovou um incremento de mais 2.750 militares, para reforçar o contingente já existente na RCA.

João Lourenço abriu a sua intervenção pedindo aos presentes um minuto de silêncio em homenagem ao presidente do Chade, morto esta terça feira, e voltou a apelar à comunidade internacional para juntar-se aos esforços de pacificação da região dos Grandes Lagos.

Segundo o presidente de Angola, “é importante que doravante todos os actores, tendo à cabeça o presidente Archange Touaderá, com o apoio da CIRGL, da CEEAC, da União Africana, trabalhem em sintonia no estabelecimento de um roteiro claro, que esteja enquadrado no espírito das Resoluções das Nações Unidas e garanta o diálogo e a concertação permanentes com os actores políticos e a sociedade civil, no intuito de se dinamizar o acordo de Cartum".

"Diligências devem ser feitas junto dos países membros permanentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas, a favor do levantamento definitivo do embargo de armas, que impende ainda sobre a Republica Centro-Africana”, concluiu João Lourenço.

A notícia da morte do presidente do Chade, Idriss Déby, inicialmente também convidado para integrar a minicimeira, abalou os presentes. O ministro das Relações Exteriores de Angola, Téte António, relembrou o importante papel da do presidente da República do Chade na pacificação da região, acrescentando que Déby foi um ator muito importante para estabilizar as regiões em conflito em todo continente.

A morte do presidente do Chade Idriss Déby, esta terça feira, poderá agravar a situação de instabilidade na região dos Grandes Lagos, afirmam os analistas. O Chade é tido como um dos atores principais na luta ativa contra os rebeldes na região, pelo envio recorrente de militares para pacificação das zonas em conflitos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rússia e Ruanda enviam militares para a República Centro-Africana

Polícia francesa mata homem que tentava incendiar sinagoga em Rouen

Líder militar vence eleições no Chade, apesar de alegações de fraude