Última hora
This content is not available in your region

Italianos desfrutam do desconfinamento

euronews_icons_loading
Italianos desfrutam do desconfinamento
Direitos de autor  euronews
Tamanho do texto Aa Aa

Em Itália, nas zonas de menor risco de infeção as esplanadas voltam a animar-se. Só o serviço no exterior está, por enquanto, autorizado. Galerias de arte, museus, cinemas e teatros também abriram, mas com lotação limitada. Mantém-se o recolher obrigatório às 22 horas.

Apesar das restrições, em Roma, há já quem respire de alívio, como Leonardo Starace, proprietário de um restaurante

"Se não fossem todos os clientes que aqui vêm há anos e que nos conhecem há muito tempo, não teríamos chegado aqui. Até agora ainda estaríamos à espera da chegada dos turistas e, como dizemos aqui, boa sorte com isso!"

Os clientes regulares de Leonardo estão contentes por estarem de volta, mas não escondem as suas preocupações.

"Receamos que os restaurantes voltem a encerrar outra vez. É isso que nos preocupa. E não é só por nós, consumidores. É muito angustiante para os proprietários, que começam a entrar em pânico", diz um cliente.

Muitos, como a gerente do bar Bellone, acreditam que algumas empresas têm sido tratadas de forma injusta: "Eu participei nas manifestações de protesto. Apesar de ter uma área exterior, os meus pensamentos vão para aqueles que não puderam reabrir os seus negócios ou que não puderam construir uma área de refeições ao ar livre porque é demasiado cara".

Quer seja para um intervalo de almoço ou apenas uma desculpa para sair, os italianos não querem perder esta oportunidade. Dada a falta de turistas, os negócios do centro histórico da capital são os mais afetados.

"Poderem desfrutar de uma bebida enquanto sentadas ao ar livre, ter uma vida social, é o que faz as pessoas sentirem que as suas vidas estão a voltar ao normal. A reabertura dos teatros e cinemas depois de todos estes meses desempenha um papel crucial nisto", refere a repórter d Euronews, Giorgia Orlando.

Apenas 30 de um total de 150 bilhetes foram vendidos para a primeira sessão do cinema Farnese. A baixa afluência é atribuída ao facto de muitas pessoas ainda não terem sido totalmente vacinadas. Para aqueles que vieram, a principal emoção é a alegria.

"Apetece-me chorar e sinto-me tão emocionado com isto. Tem sido extremamente difícil para mim e para todas aquelas pessoas que estavam habituadas a ir ao cinema todas as semanas. É como se fosse o primeiro dia de regresso à escola, mas sem nos sentirmos ansiosos, estamos apenas felizes", diz uma jovem.

O proprietário deste histórico cinema familiar, Fabio Amadei, diz que se trata também da necessidade de colmatar o fosso cultural que a pandemia cavou. "Cinemas, teatros e salas de concertos, a música, todos eles contribuem para isto e não podem ser deixados para trás. É fundamental continuar a falar sobre isto e trabalhar arduamente" afirma.

Os efeitos da campanha de vacinação ainda não são tangíveis. Com o anúncio da reabertura, o Ministério da Saúde italiano garantiu que estava a assumir "um risco calculado". Desta vez os italianos esperam que o pior tenha passado e que não se volte atrás.