EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Justiça russa acaba com movimento político de Navalny

Alexei Navalny
Alexei Navalny Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Sentença da justiça que classifica organizações ligadas ao opositor de Putin como "extremistas", resulta na prática no desmantelamento do movimento político de Alexei Navalny.

PUBLICIDADE

A justiça russa classificou como "extremistas" várias organizações ligadas a Alexei Navalny, o opositor do Kremlin atualmente preso na Rússia.

Na prática, a decisão do Tribunal Municipal de Moscovo irá resultar no desmantelamento do movimento político de Navalny, o maior crítico interno do regime de Vladimir Putin.

A sentença que determina o fim das organizações ligadas a Navalny foi lida à porta fechada.

Esta decisão está a ser vista como uma forma de impedir que o membros da organização de Navalny possam seguir para cargos políticos, até porque muitos opositores esperavam concorrer a assentos parlamentares nas eleições de 19 de setembro, para fortelecer a oposição a Vladimir Putin.

A proibição da atividade por extremisto arrasta também penas de prisão a quem faz parte do movimento.

Um passo do tribunal russo que não caiu de forma surpreendente no ponto de vista dos especialistas. Antes da decisão, o advogado Ivan Pavlov falava da possibilidade do movimento ser dado como extremista, por considerar que, aos olhos da Federação russa, "qualquer mudança de governo é extremista por natureza". 

Navalny foi preso em janeiro, mal aterrou na Rússia. Esteve na Alemanha durante cinco meses, onde recuperou do envenenamento com novichok. Um ataque que o opositor diz não ter dúvidas ser da responsabilidade da federação russa, a qual rejeita todas as acusações.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Detido advogado da fundação de Navalny

Alexeï Navalny face à justiça na Rússia

Putin substitui Shoigu porque quer Ministério da Defesa "aberto à inovação"