EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

OMS alerta para possível ressurgência da pandemia na Europa

OMS alerta para possível ressurgência da pandemia na Europa
Direitos de autor ALBERTO PIZZOLI/AFP or licensors
Direitos de autor ALBERTO PIZZOLI/AFP or licensors
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Organização Mundial de Saúde diz que nível de vacinação está ainda "longe do suficiente" para evitar uma ressurgência da pandemia após o verão

PUBLICIDADE

O nível de vacinação na Europa está ainda "longe do suficiente" para evitar uma ressurgência da pandemia de Covid-19 no outono.

O alerta foi dado pelo diretor da Organização Mundial de Saúde para a Europa. Com o verão à porta, Hans Kluge apelou também à vigilância, para evitar "os erros" da época estival de 2020, que foi seguida de uma nova vaga da pandemia.

Hans Kluge, diretor da OMS para a Europa:"Atualmente, 30 por cento das pessoas na região já receberam pelo menos uma dose da vacina e apenas 17 por cento estão completamente vacinadas. Apesar de termos progredido, não avançámos o suficiente. A cobertura da vacinação está long do suficiente para proteger a região de uma ressurgência. A distância a percorrer até atingir uma cobertura de 80 por cento da população adulta é ainda considerável."

Por seu lado, o Parlamento Europeu votou, em desacordo com o executivo de Bruxelas, pelo levantamento temporário dos Direitos de Propriedade Intelectual das patentes das vacinas. O objetivo da maioria dos eurodeputados que votou a favor é melhorar o acesso mundial a medicamentos contra a Covid-19 e responder às limitações na produção para tentar evitar problemas de abastecimento.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Estudo da OMS revela que um em cada seis jovens é vítima de cyberbullying na Europa

Surto de sarampo na Europa: casos aumentaram 30 vezes no período de um ano

Guterres diz que rejeição israelita da solução dos dois Estados é "inaceitável"