EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Trabalhadores domésticos afetados pela pandemia

Trabalhadores domésticos afetados pela pandemia
Direitos de autor CHILO
Direitos de autor CHILO
De  euronews com LUSA
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Organização Internacional do Trabalho revela que trabalhadores domésticos foram dos que mais sofreram com os impactos da pandemia da Covid-19

PUBLICIDADE

Os trabalhadores domésticos foram dos que mais sofreram com o impacto da pandemia da Covid-19.

Esta é uma das conclusões do relatório "Fazer do Trabalho Doméstico um trabalho decente" divulgado pela Organização Internacional do Trabalho.

O documento revela que muitos dos 75 milhões e 600 mil trabalhadores domésticos que existem no mundo ficaram sem emprego ou viram as horas de trabalho reduzidas.

De acordo com o relatório “Fazer do Trabalho Doméstico um trabalho decente”, entre o último trimestre de 2019 e o segundo de 2020 o número de trabalhadores domésticos caiu 59,9% na Sérvia, 15% no Reino Unido e 13% em Portugal e na Itália. No mesmo período, muitos dos trabalhadores que mantiveram o emprego viram o número de horas de trabalho reduzido, como se verificou no Reino unido e Portugal (47%) e na Itália (21%), com impacto negativo no seu rendimento.

"Significa que os trabalhadores domésticos, muitos deles vivem nas casas das pessoas para quem trabalham, e deixaram de ter um lugar para viver. Perderam a sua casa. Muitos destes trabalhadores são trabalhadores migrantes, pelo que o seu estatuto dentro de um país pode ser posto em causa. Podem estar sem recursos. Assim, muito rapidamente que o drama da perda do emprego, e há sempre o drama da perda do emprego, torna-se quase num problema humano. Um problema simplesmente de como é que se consegue sobreviver? Como é que sobrevive? Isto expõe as vulnerabilidades subjacentes da falta de proteção que, com demasiada frequência, aflige estes trabalhadores", referiu o diretor-geral da OIT, Guy Ryder.

A OIT observou que na última década pouco ou nada se fez para melhorar as condições destes trabalhadores domésticos. De acordo com a organização, 36% destes trabalhadores permanecem totalmente excluídos da legislação laboral dos países. 

O trabalho doméstico continua a ser um setor dominado pelas mulheres, empregando 57,7 milhões de mulheres, que representam 76,2% do total do setor. Enquanto as mulheres constituem a maioria da mão-de-obra na Europa e Ásia Central e nas Américas, os homens superam as mulheres nos Estados Árabes (63,4 %) e no Norte de África.

Na Europa ocidental, do norte e do sul, a maioria dos trabalhadores domésticos são migrantes (54,6%).

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Gigante do comércio alemão Karstadt tenta plano de resgate mas não evita milhares de despedimentos

Emprego em máximos históricos: Portugal tem mais de 5 milhões de trabalhadores

Eleições europeias: O que é que os eleitores querem e o que é que os candidatos prometem?