EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Mais 150 milhões de doses da vacina Moderna para a União Europeia

Mais 150 milhões de doses da vacina Moderna para a União Europeia
Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Comissão Europeia aprova a compra e assegura eficácia contra potenciais variantes.

PUBLICIDADE

Mais 150 milhões de doses extra da vacina Moderna estarão disponíveis para os cidadãos da União Europeia, no próximo ano. A Comissão Europeia aprovou a compra e assegura que as novas vacinas também serão eficazes contra possíveis variantes da Covid-19.

Estas novas aquisições junto da empresa farmacêutica norte-americana fazem parte de um plano de vacinas de próxima geração, adaptadas às novas mutações. Uma informação confirmada pela Presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, nas redes sociais.

Já assinámos um acordo com uma empresa para 2022 e 2023 e ontem à noite foi concluído um segundo acordo para vacinas com outra empresa para 2022 e 2023. Vamos avançar novamente com um portfolio que nos dará segurança relativamente às mutações.
Stella Kyriakides
Comissária Europeia para a Saúde e Segurança Alimentar

Em maio, a União Europeia assinou um contrato com a Pfizer BioNTech para reservar até 1,8 mil milhões de doses até 2023.

O contrato com a Moderna permite que as entregas sejam adaptadas às necessidades de cada Estado-membro e assegura a distribuição até ao final do próximo ano.

Os países da União Europeia também têm a possibilidade de revender ou doar doses a países fora do bloco ou através do sistema de colaboração mundial COVAX.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Parlamento alemão debate violência no país e condena ataque contra Robert Fico

Lei sobre "agentes estrangeiros" é inaceitável, diz presidente da Geórgia

Porta-voz da NATO afirma que "lei russa" aprovada pela Geórgia "é um erro"