Última hora
This content is not available in your region

Russos em festa durante agravamento da Covid-19

De  Francisco Marques
euronews_icons_loading
Russos em festa durante agravamento da Covid-19
Direitos de autor  Dmitri Lovetsky/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

No mesmo dia em que a Rússia agravava em mais de 8 mil o número de infeções diárias diagnosticadas e São Petersburgo sofria o recorde diário de óbitos no quadro da pandemia, milhares de pessoas, muitas sem máscara, juntaram-se ao longo do Rio Neva para celebrar o tradicional festival das "Velas Escarlate".

A televisão privada russa Dozhd, também conhecida como TVRain, divulgou vários vídeos com as aglomerações de pessoas no centro de São Petersburgo, relacionando o não cumprimento das medidas de proteção de saúde com o momento em que há hospitais sobrelotados e centenas de mortes ligadas à Covid-19 no país.

O epidemiologista Vasily Vlasov, em declarações à TVRain, perspetivou consequências negativas dos ajuntamentos registados em São Petersburgo, uma das cidades-sede do Euro2020.

"Vamos assistir a um aumento de incidência da doença, com tudo o que isso implica, numa altura em que as unidades médicas da cidade já estão lotadas", afirmou Vlasov.

Marcada por impressionantes espetáculos de fogo de artificio, esta é uma celebração já com meio século que assinala o final do ano escolar, inserindo-se no programa das chamadas “noites brancas” do solstício de verão.

O ponto alto foi mais uma vez a passagem da réplica de um veleiro do século XIX, com velas escarlate, simbolizando a esperança e os sonhos de um futuro brilhante.

Esta tradição tinha sido interrompida durante a era soviética, mas foi retomada em 2005 e, este ano, teve transmissão televisiva para levar o espetáculo a jovens russos de outras regiões do país onde as celebrações do final do ano escolar tinham sido suspensas devido à pandemia.

Horas depois do espetáculo realizado sexta-feira à noite, as autoridades de saúde russas atualizaram os números da pandemia no país e revelaram ter diagnosticado nas 24 horas anteriores 21.665 novas infeções, o maior número desde 21 de janeiro e a refletir um agravamento de 8.457 face ao balanço de sexta-feira.

No quadro da Covid-19, foram ainda adicionados mais 619 mortos, o maior número desde 24 de dezembro e incluindo também um recorde local de 107 em São Petersburgo.

A Rússia mantinha este sábado 354 mil "doentes covid" hospitalizados e tinha pelo menos mais 14 mil recuperados da infeção.

Ao todo, a Rússia soma 5,4 milhões de casos confirmados de Covid-19 desde o início da pandemia, incluindo 4,9 milhões de pessoas já recuperadas e quase 133 mil óbitos.