EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Marchas de ódio contra a comunidade LGBT na Geórgia

Marchas de ódio contra a comunidade LGBT na Geórgia
Direitos de autor Кадр из видео 1TV.GE
Direitos de autor Кадр из видео 1TV.GE
De  Nara MadeiraEuronews com EVN
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A "Tbilissi Pride" desencadeou marchas de ódio nas ruas da capital da Geórgia, evento acabou cancelado mas violência não foi evitada.

PUBLICIDADE

Foi cancelada a "Tbilissi Pride", pelos seus organizadores. A marcha do Orgulho Gay deveria ter decorrido esta segunda-feira mas os promotores do evento dizem que as autoridades pareciam "não querer garantir a segurança" e "impediram ativamente o direito de livre reunião" a quem pretendia participar na celebração.

A possibilidade de realização da marcha, na capital da Geórgia, desencadeou ações de massas anti-LGBT. Vários grupos saíram para as ruas contra a sua realização no dia em que se previa que o evento acontecesse. Os protestos, nos quais participaram representantes da Igreja Ortodoxa Georgiana, terminaram frente ao parlamento e em confrontos entre manifestantes e a polícia. Vários jornalistas foram também atacados por participantes na manifestação.

Através das redes sociais a ILGA World, organização não-governamental que defende os direitos LGBTQIA+ escrevia:

"Estamos solidários com @TbilisiPride e com as nossas comunidades na Geórgia. Juntamo-nos a @ILGAEurope no apelo à investigação da inacção policial e da violação do direito à liberdade de reunião, à integridade física dos jornalistas e aos danos materiais".

O primeiro-ministro georgiano tinha apelado aos organizadores da "Tbilissi pride" para cancelarem a marcha, considerando que apesar de terem seguido todas as regras esta ação representava " um perigo" e levar ao confronto civil já que a maioria dos georgianos são contra este tipo de ações e acrescentava acreditar que existem "grupos radicais da oposição" por detrás desta marcha.

A violação dos direitos LGBT é recorrente nos países do leste da Europa, por exemplo. A Hungria aprovou uma lei que proibi as crianças de terem qualquer acesso a conteúdos LGBT, ou seja, nem sequer informação sobre a matéria. 

Em relação à Albânia a ILGA-Europe publicava nas redes sociais a sua preocupação com "o recente discurso de ódio contra um activista LGBTI albanês. Este discurso de ódio levou a um ataque contra uma pessoa trans. Exortamos as autoridades albanesas a investigar devidamente o crime e a assegurar que seja feita justiça".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Orgulho gay volta às ruas de Madrid

Gay Pride termina em confrontos em Istambul

Chengdu a "capital gay da China"