União Europeia aprova ajuda militar a Moçambique

Reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia
Reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia Direitos de autor União Europeia
De  Francisco Marques
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Brigadeiro-general português vai liderar a missão #EUTMMozambique de formação e apoio das forças armadas moçambicanas contra o terrorismo em Cabo Delgado

PUBLICIDADE

A União Europeia aprovou esta segunda-feira o envio de uma missão de militar para Moçambique.

O objetivo é "treinar e apoiar as forças armadas moçambicanas na proteção dos civis e no restabelecimento da segurança na província de Cabo Delgado", onde desde 2017 uma crescente insurgência jiadista tem aterrorizado a região, muito rica em recursos naturais.

De acordo com a informação divulgada pelo Conselho da União Europeia, o agravar da violência naquela região no norte de Moçambique já provocou "mais de 700 deslocados internos".

"É estimado que pelo menos 1,3 milhões de pessoas em Cabo Delgado e nas províncias vizinhas de Niassa e Nampula necessitem de ajuda humanitária e proteção", sublinha o organismo europeu.

À entrada para a reunião do Conselho de ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia, o português Augusto Santos Silva sublinhou a importância desta decisão europeia para a mobilização de uma missão intitulada "EUTM Moçambique: "É um passo muito importante na ajuda a Moçambique na luta contra o terrorismo."

Portugal assume a missão

A missão europeia será liderada no terreno pelo português Nuno Lemos Pires, que, à Lusa, "um imenso orgulho" nas funções que lhe foram conferidas.

“É uma missão importantíssima da parte de Portugal e da União Europeia (UE), extremamente relevante para o que podemos fazer para melhor ajudar Moçambique”, disse o brigadeiro-general do Exército, atual subdiretor-geral de Política de Defesa Nacional no Ministério da Defesa Nacional e professor da Academia Militar.

Lemos Pires considerou ainda "muito importante esta ajuda que a UE está a dar" porque faz parte dos "valores que defende, e na prática, é o que faz: ajudar a dar paz e desenvolvimento", sublinhou o brigadeiro-general e chefe no terreno da "EUTM Moçambique".

A missão europeia começa agora a ser colocada em prática e deverá estar em pleno funcionamento em outubro. O prazo da missão é de dois anos.

Numa mobilização de urgência após um ataque violento em março deste ano à vila de Pemba, na província de Cabo Delgado, com um português entre as dezenas de feridos, Portugal enviou desde então mais de uma centena de soldados para reforçar o efetivo militar em Moçambique.

O último contingente de 60 soldados portugueses partiu em maio, no quadro de um acordo celebrado a 10 de maio entre os governos de ambos os parceiros lusófonos.

Na sexta-feira, chegaram também a Moçambique um milhar de soldados do Ruanda, no âmbito de um pedido de ajuda militar entre os dois países africanos, e, ainda esta semana, é esperada em Cabo Delgado uma força militar da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC).

Outras fontes • AFP, AP, RTP, União Europeia

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ajuda humanitária de Portugal e Itália para Moçambique

SADC disponibiliza dez milhões de euros para luta contra o terrorismo em Moçambique

Agricultores incendeiam pneus e desafiam a polícia em Bruxelas