EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Depois das inundações teme-se surto de Covid-19

Depois das inundações teme-se surto de Covid-19
Direitos de autor AP
Direitos de autor AP
De  Nara Madeira com AP, AFP
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Autoridades das áreas afetadas pelas inundações, na Alemanha, temem surto de Covid-19, num momento em que é complicado manter o distanciamento social.

PUBLICIDADE

Na Alemanha, já não se corre o perigo de inundações mas surge uma nova preocupação: um eventual surto de Covid-19. Há vários dias que se puseram de lado algumas medidas como o distanciamento social, foi difícil mantê-lo enquanto se salvavam pessoas e complicado consegui-lo nos abrigos criados de emergência para albergar quem teve de sair de casa.

Para tentar evitar outra catástrofe, até porque grandes partes das infraestruturas médicas foram destruídas, está a decorrer uma grande campanha de vacinação, distribuição de máscaras e testes.

As autoridades mostram-se inquietas mas para as vítimas da intempérie há outras prioridades. Michael Ringshauser é um restaurador de Ahrweiler. "Estou na ruína", dizia. "Tenho mulher, dois filhos pequenos e não sei como vamos continuar. Ainda tenho cerca de 50 centímetros de água na cave, continuamos a limpar. Depois disso, teremos de avaliar cada divisão para ver se se aproveita alguma coisa mas não é possível que haja o que aproveitar. Mas é assim que as coisas são, não podemos mudar nada", desabafava.

Enquanto continuam os trabalhos de limpeza a Chanceler alemã, Angela Merkel, visitou pela segunda vez a região atingida por uma catástrofe que fez, pelo menos, 165 mortos, só na Alemanha, nas regiões da Renânia do Norte-Vestefália e Renânia-Palatinado.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Inundações na Europa central causam pelo menos 125 mortos

Líderes europeus reagem às inundações na Europa Central

Angela Merkel faz 70 anos: qual a popularidade da antiga chanceler?