EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Protestos contra passe sanitário e vacinas obrigatórias

Protestos contra passe sanitário e vacinas obrigatórias
Direitos de autor Michel Euler/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved
Direitos de autor Michel Euler/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Apesar de milhares de franceses terem saído à rua, sondagens revelam que maioria da população apoia novas regras sanitárias

PUBLICIDADE

Paris foi, este sábado, palco de confrontos entre as forças de segurança e manifestantes que se opõem às novas regras sanitárias em França.

Os incidentes ocorreram à margem dos protestos que reuniram mais de 160.000 pessoas em várias cidades francesas, mais de 11 mil só em Paris.

Os manifestantes estão contra o recentemente imposto passe sanitário e contra a vacinação obrigatória para os profissionais de saúde, sapadores de bombeiros e funcionários de lares de idosos.

Na capital francesa, um manifestante diz que está vacinado, mas explica que "recusa forçar outros a vacinarem-se", defendendo que "é melhor debater e tentar convencer as pessoas, do que avançar com políticas liberticidas".

Outra defende que esta "vacinação sistemática é demasiado extrema, demasiado arriscada" e assegura que está chocada por se estender também às crianças.

Este é já o segundo sábado consecutivo em que milhares de franceses se manifestam contra a vacinação e o que designam de "ditadura" do passe sanitário, em vigor em locais culturais e de lazer e que será necessário para aceder a bares, restaurantes e comboios, já a partir do início de agosto.

Apesar dos protestos, as sondagens revelam que a maioria dos franceses, cerca de 76%, é a favor das medidas implementadas pelo Executivo de Emmanuel Macron.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

OMS pede 20 mil milhões de euros para travar pandemia

Francês detido no Irão por participar em protestos após a morte de Mahsa Amini foi libertado

Presidente da França em risco de perder influência ao nível da UE