Última hora
This content is not available in your region

"A saúde mental deve ser a pedra angular da nossa sociedade"

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
"A saúde mental deve ser a pedra angular da nossa sociedade"
Direitos de autor  euronews
Tamanho do texto Aa Aa

O impacto da pandemia na saúde mental das populações foi o tema central da recente cimeira da Organização Mundial da Saúde (OMS) na Grécia. A euronews falou com Hans Kluge, diretor da OMS para a região da Europa.

euronews: "Comecemos pelas notícias mais recentes acerca das investigações da delegação internacional, na China, sobre as origens do vírus. Por um lado, o chefe da organização afirma que talvez seja um pouco prematuro afastar a hipótese de uma fuga de laboratório. E, por outro lado, a China rejeitou o plano da OMS para uma segunda fase da investigação. Tem alguma indicação que leve a pensar que houve uma fuga de laboratório? O que vão fazer agora?"

Hans Kluge: “Penso que se trata de uma pergunta para o doutor Tedros, em Genebra, porque sou o diretor regional para a Europa, que abrange os 53 estados membros europeus, e não a China. Eu não estive a par da missão. As informações de que disponho são as mesmas que toda a gente ouviu do diretor-geral, ou seja, todas as opções estão em cima da mesa e devem ser investigadas. Mas devemos lembrar-nos que as investigações para a origem do vírus MERS ou SARS 1 demoraram entre um ano e dois anos e meio, para estabelecer uma ligação entre o vírus e o hospedeiro intermediário. Por isso, é normal que uma investigação como esta leve algum tempo”.

As investigações sobre a origem do vírus MERS ou SARS 1 demoraram entre um ano e dois anos e meio, para estabelecer uma ligação entre o vírus e o hospedeiro intermediário. Por isso, é normal que uma investigação como esta leve algum tempo"
Hans Kluge
diretor da OMS na Europa

Euronews: “Vamos continuar com o que parece ser a saída para esta pandemia, as vacinas, na Europa. O número de pessoas vacinadas é satisfatório?”

Hans Kluge: “Diria que o caminho para sair da pandemia, é triplo. É o que chama abordagem VIP. V para variantes, temos que estudar de perto as variantes, neste caso, a variante Delta, que está a atacar pessoas que não estão vacinadas ou insuficientemente vacinadas. I para imunização, é preciso aumentá-la. A resposta é não, ainda não é suficiente. A cobertura é de 26% na região pan-europeia. Depois, P para pessoas. Temos de chegar mais perto da população, incentivá-la a tomar a vacina, e a aderir ainda mais às medidas de saúde pública, incluindo o uso de máscaras, quando não podemos manter uma distância de um metro e meio”.

Há dez países europeus com menos de 10% de cobertura

Euronews: “Qual é a sua posição sobre as vacinações obrigatórias? É um debate muito vivo na Europa”.

Hans Kluge: “É um debate muito vivo. A OMS incentiva todas as medidas para aumentar a cobertura de vacinação, desde que sejam legais e socialmente aceitáveis. Mas esse não deve ser o primeiro recurso, porque primeiro temos que tentar entender o que está na mente das pessoas, quais são as percepções das pessoas, e envolver-nos com as comunidades que hesitam face à vacina. Nós temos muita experiência com serviço de análise comportamental para convencer as pessoas, através de influenciadores, para ver quem está hesitante e pensar em alguém que pode influenciar essas pessoas por meio de um diálogo".

Euronews: “O que está a acontecer no resto do mundo, como em África ou na Ásia, há países que ficaram para trás porque não podem comprar vacinas?"

Hans Kluge: “Com certeza. Há uma enorme desigualdade. Mesmo na região europeia, existem dez países com menos de 10 por cento de cobertura. E está certo, se olharmos para alguns países africanos, a solidariedade é a única saída. Ninguém está seguro até que todos estejam seguros porque a variante Delta é agressiva e está a atravessar as fronteiras. Mas vejo muita solidariedade, incluindo da Grécia, que está a doar vacinas a outros países".

Euronews: “Está muito preocupado com as novas variantes? Pensa que pode haver novas variantes mais contagiosas ou mais perigosas?"

Hans Kluge: “Haverá com certeza novas variantes. Existem centenas e centenas de variantes, algo que temos monitorizado desde o início. Mas muitas vezes essas variantes não são muito perigosas. No caso da Delta e da Delta plus é preciso monitorizá-las muito de perto. Qual é a solução? Quanto maior for a transmissão, mais variantes haverá. Ou seja, temos que alargar a vacinação.

Pandemia mostra que é preciso mais cuidados de saúde mental

Euronews: "Falemos da razão que o trouxe a Atenas, a cimeira sobre saúde mental. Apresentou os resultados de uma investigação sobre o impacto da Covid-19 na saúde mental, na Europa. Quais são os principais resultados?"

Hans Kluge: "A saúde mental já era um desafio antes da pandemia. É a maior causa de deficiência. Uma em cada seis pessoas, antes da pandemia, tinha um transtorno mental. A grande descoberta é o facto de cada um de nós ser vulnerável. Toda a gente, mesmo que seja forte durante um tempo, pode desenvolver um transtorno de saúde mental, principalmente ansiedade ou depressão. É disso que trata a cimeira. Estou muito grato à Grécia, ao primeiro-ministro, ao ministro da Saúde por terem tirado a saúde mental das trevas. A saúde mental deve ser a pedra angular da nossa sociedade e modo de vida. A saúde mental diz respeito a toda a gente".

Uma em cada seis pessoas, antes da pandemia, tinha um transtorno mental. A grande descoberta é o facto de cada um de nós ser vulnerável. Toda a gente, mesmo que seja forte durante um tempo, pode desenvolver um transtorno de saúde mental, principalmente ansiedade ou depressão.
Hans Kluge
diretor da OMS na Europa

Euronews: "Pode detalhar um pouco os resultados da investigação? O que é que ela mostra?"

Hans Kluge: "Temos de nos centrar, em primeiro lugar, nos grupos de alto risco, por exemplo, as crianças e adolescentes que sofreram muito com o fecho das escolas. As escolas não são apenas um local de educação, também fornecem proteção social, por exemplo, contra a violência doméstica, o que não tem sido suficientemente tido em conta. A investigação mostra que devemos prestar muito mais atenção aos nossos trabalhadores sociais e da saúde. Gostaria de expressar o meu apreço a todos os profissionais de saúde gregos e europeus que foram e ainda são os heróis desta pandemia".

Euronews: "Afirmou que o nosso objetivo deve ser a construção de um novo caminho para a promoção e o cuidado da saúde mental. Pensa que isso é possível em plena fase de restrições por causa da pandemia?"

Hans Kluge: “Absolutamente. Não temos escolha. Tempos extraordinários exigem soluções extraordinárias e, no conselho de administração da Organização Mundial de Saúde, na Europa, em setembro, esperamos obter a aprovação de um plano de ação europeu".