Mudanças Climáticas: Acordo de Paris não será suficiente

Mudanças Climáticas: Acordo de Paris não será suficiente
Direitos de autor ALAIN JOCARD / AFP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Segundo o IPCC, as metas definidas pelos líderes mundiais para conter a subida das temperaturas não serão suficientes. 1,5° será atingido antes de 2030

PUBLICIDADE

O clima da Terra está a ficar tão quente que as temperaturas irão provavelmente ultrapassar brevemente o nível de aquecimento que os líderes mundiais procuraram evitar.

É a conclusão do relatório divulgado esta segunda-feira pelas Nações Unidas e apresentado como um "código de alerta para a Humanidade".

Comparando com a era pré-industrial, a temperatura aumentou 1,1° até 2021 e, se nada for feito, em 2040 terá aumentado 1,5°; em 2060, 2° e em 2100, 2,7°. O acordo de Paris pretende limitar a subida da temperatura 1,5°

Valerie Masson-Delmotte, uma das peritas do Painel Intergovernamental sobre as Mudanças Climáticas (IPCC), realça que "cada meio grau adicional de aquecimento provocará aumentos na intensidade e frequência dos calores extremos, precipitação intensa e seca. A 2 graus de aquecimento global as temperaturas extremas atingiriam mais frequentemente limiares críticos para a agricultura e para a saúde humana".

Nos cinco cenários que foram considerados, as metas do Acordo de Paris serão ultrapassadas, e todas as tendências vão piorar, segundo o estudo elaborado por 234 cientistas mundiais.

Em cada cenário, segundo o relatório, o mundo atravessará a marca de 1,5 graus Celsius de aquecimento nos anos 2030, mais cedo do que algumas previsões do passado. O aquecimento tem aumentado nos últimos anos, mostram os dados.

Inger Andersen a diretora executiva do Programa da ONU para o Meio Ambiente (PNUMA) acusa: "Vocês, peritos, andaram a falar-nos, nas últimas três décadas, dos perigos de deixarmos o planeta aquecer. O mundo ouviu, mas não escutou. O mundo ouviu, mas não agiu com força suficiente. E como resultado, as alterações climáticas são um problema aqui e agora. Ninguém está a salvo e está a piorar cada vez mais depressa".

A deterioração é geral. Nenhuma região do globo está a salvo. O aquecimento já está a acelerar a subida do nível do mar, a diminuição do gelo e o agravamento de extremos como ondas de calor, secas, inundações e tempestades. Os ciclones tropicais estão a ficar mais fortes e húmidos, enquanto o gelo do mar Ártico está a diminuir no Verão e o permafrost está a descongelar, com consequências imprevisíveis para a Humanidade.

O pior é que alguns danos provocados pelas alterações climáticas - as camadas de gelo que diminuem, a subida do nível do mar e as alterações nos oceanos à medida que perdem oxigénio e se tornam mais ácidos - são "irreversíveis durante séculos a milénios", segundo o relatório.

Mais de 100 países comprometeram-se informalmente a atingir o "zero" de emissões de dióxido de carbono causadas pelo homem por volta de meados do século, o que será uma parte fundamental das negociações sobre o clima neste outono na Escócia. O relatório afirma que esses compromissos são essenciais.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Ação coletiva ou suicídio coletivo"

Pequena ilha britânica antecipa neutralidade carbónica

ONU preocupada com distribuição de água em Gaza