Última hora
This content is not available in your region

O líder da Samsung foi libertado

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
O líder da Samsung foi libertado
Direitos de autor  Lee Jin-man/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

O vice-presidente da Samsung Electronics, Lee Jae-yong, saiu da prisão, após ter cumprido um ano de pena.

Estava condenado por crimes relacionados com o escândalo de corrupção que derrubou a ex- presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye, também ela condenada a 22 anos de prisão.

Lee, que está entre os 800 homens de negócios sul-coreanos condenados por crimes fiscais e corrupção e foi libertado no indulto das comemorações da independência do país, pediu desculpas à saída do estabelecimento prisional, curvando-se perante a multidão que o aguardava.

"Tenho causado demasiada preocupação ao povo. Lamento imenso. Estou a ouvir atentamente as vossas preocupações, críticas, e grandes expectativas a meu respeito. Farei o meu melhor".

No exterior da prisão estavam reunidas centenas de pessoas, umas manifestando apoio, outras protestando contra o herdeiro de um dos grupos económicos mais importantes do país.

Lee é o último de uma longa fila de chefes de empresa sul-coreanos a receber indulto de penas por corrupção e crimes financeiros.

Ao anunciar a sua libertação, o Ministério da Justiça citou preocupações económicas não especificadas relacionadas com a pandemia e os mercados globais.

O presidente sul coreano, Moon Jae-in foi eleito em 2017 com a promessa de por fim ao excesso de conglomerados familiares e às ligações destes com o governo.

Lee Jae-yong, de 53 anos, cumpriu um total de 18 meses de uma pena de 30 meses por desviar milhões de dólares de fundos corporativos para subornar a anterior presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye, de forma a garantir o apoio governamental a uma fusão em 2015 entre duas afiliadas da Samsung que reforçou o seu controlo sobre o império corporativo.

O seu caso fez parte de um escândalo de corrupção maciça que desencadeou protestos a nível nacional e levou ao impeachment e à expulsão de Park, que está presa desde 2017 e só será libertado em 2039, se cumprir integralmente a pena.

Mesmo com a sua libertação, Lee não está fora das malhas da lei. Ele compareceu no Tribunal Distrital Central de Seul na quinta-feira para outro julgamento sobre alegada manipulação do preço das ações, violações de auditoria e outros crimes financeiros relacionados com a fusão de 2015. Os seus advogados insistiram que as alegações nesse caso não eram atos criminosos, mas sim atividades comerciais normais.

A decisão marcou uma reviravolta para o governo do Presidente Moon Jae-in, que depois de ganhar as eleições presidenciais parciais em 2017 se comprometeu a travar os excessos dos conglomerados familiares da "chaebol", ou Coreia do Sul, e a pôr fim aos seus laços com o governo.

Lee é o líder da terceira geração do grupo empresarial Samsung, que foi fundado pelo seu avô. Dirige o conglomerado na sua qualidade de vice-presidente da Samsung Electronics, um dos maiores fabricantes mundiais de chips de memória para computadores e smartphones.

Lee foi originalmente condenado em 2017 a cinco anos de prisão por corrupção, mas foi libertado após 11 meses, em fevereiro de 2018, na sequência de uma decisão do Supremo Tribunal de Seul que reduziu o seu mandato para 2 anos e suspendeu a sua pena, anulando condenações chave e reduzindo o montante dos seus subornos.

Quase ninguém esperava que Lee cumprisse integralmente a sua sentença até julho de 2022. Os líderes empresariais e membros chave do governo de Moon tinham apoiado a libertação antecipada de Lee nos últimos meses, citando a presença crucial da Samsung na economia nacional e os crescentes desafios que enfrenta no mercado global de semicondutores.

Sondagens recentes indicaram que o público da Coreia do Sul - já longe dos protestos que encheram as ruas com milhões de manifestantes em 2016 e 2017 - é largamente favorável à libertação de Lee, mostrando a profunda influência da Samsung no país.