EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Crise no Afeganistão significa mais terrorismo na Europa?

Crise no Afeganistão significa mais terrorismo na Europa?
Direitos de autor Andrew Medichini/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved
Direitos de autor Andrew Medichini/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved
De  Alberto De Filippiseuronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O analista geopolítico italiano Andrea Cucco procura responder a várias questões em torno das consequências para a Europa derivadas da crise no Afeganistão

PUBLICIDADE

A crise no Afeganistão deu origem a uma enorme vaga de refugiados em direção a inúmeros países e a Itália não é exceção. 

Será que aumentou o risco de terrorismo na Europa? Será que o regime Talibã vai dar abrigo a grupos terroristas islâmicos?

O analista geopolítico italiano Andrea Cucco discorda e aponta pistas para reflexão:

“Os talibã não podem ser tão estúpidos até ao ponto de abrigarem e exportarem, oficialmente ou não, o terrorismo internacional. Talibã, al Qaeda e Isis são realidades muito diferentes e são frequentemente apoiadas por países diferentes e por vezes mesmo países insuspeitos", defende Andrea Cucco, diretor do 'site' de defesa, difesaonline.it.

O Afeganistão é um país muito rico em recursos materiais e já conta com o interesse da China que substituiu os Estados Unidos enquanto potência na região. O que é que isto significa?

“De facto, a China já é hoje uma referência para os talibã. Há algumas semanas houve um encontro oficial dos líderes talibã em Pequim. Isto faz da China a potência dominante na região. Resta saber se os chineses vão cometer os mesmos erros do que os britânicos, russos, e norte-americanos. Ou seja, se Pequim vai enviar soldados para o Afeganistão e sofrer as consequências tal como aconteceu com os outros", responde Andrea Cucco.

O repórter da euronews em Roma, Alberto de Filippis acrescenta:

"Os talibãs mostram cinismo ao nível da política externa mantendo a mesma linha ideológica no país. 
A música já foi proibida e foi imposta a lei islâmica. Por tudo isto, em última análise, são os afegãos os grandes sacrificados no altar dos interesses internacionais".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Aeroporto de Cabul recebe ajuda humanitária

Museu italiano recria floresta de borboletas da Tanzânia

Chuvas torrenciais provocam inundações e caos no norte de Itália