This content is not available in your region

Estado de emergência na Polónia causa controvérsia

Access to the comments Comentários
De  euronews
Estado de emergência na Polónia causa controvérsia
Direitos de autor  Czarek Sokolowski/The Associated Press

Nos últimos as meses as autoridades polacas têm-se visto a braços com um aumento no número de travessias ilegais da fronteira com a Bielorrússia.

Só no último mês foram registadas 3500 ocorrências.

Perante este cenário, o governo polaco declarou o estado de emergência nas regiões que fazem fronteira com a Bielorrússia e iniciou a construção de barreiras de arame farpado.

Sondagens recentes afirmam que a maioria dos polacos apoia esta decisão.

"A introdução do estado de emergência vai decerto restaurar a segurança nas áreas que fazem fronteira com a Bielorrússia e também facilitar o trabalho dos guardas fronteiriços que assim se podem concentrar na proteção da fronteira", explica Katarzyna Zdanowicz, porta-voz da Guarda Fronteiriça.

No entanto, ativistas e políticos da oposição que permanecem próximo à fronteira para acompanharem a situação de perto, estão céticos relativamente às medidas de emergência declaradas pelo governo.

"As pessoas tentam atravessar a fronteira à procura de ajuda, é de facto uma situação difícil mas que não justifica o estado de emergência e, na nossa opinião, a única razão para asua introdução é retirar-nos a nós e a outras organizações, evitar a prestação de auxílio e impedir-nos de acompanhar as ações do governo e documentar as violações à lei", denuncia Piotr Bystrianin, ativista da Fundação Ocalenie.

Representantes desta ONG acamparam próximo aos requerentes de asilo que se encontram retidos na região há três semanas. 

Eles receiam que sem a sua presença no local, os direitos dos migrantes não serão respeitados e que estes serão empurrados para a fronteira bielorrusa.

Este trabalho conta com o apoio da oposição de esquerda.

"O estado de emergência não foi declarado aquando da pandemia e agora, devido ao facto destas 30 pessoas estarem aqui na fronteira, que várias centenas ou milhares podem pedir asilo na Polónia, estamos a introduzir o estado de emergência. Na segunda-feira terá lugar, tudo indica, uma sessão no parlamento para votar o estado de emergência e, claro, o Partido da Esquerda é contra", adianta Maciej Konieczny, deputado do Partido da Esquerda.

Mesmo assim, por enquanto todos viram-se obrigados a abandonarem a região.

A repórter da euronews, Magdalena Chodownik, acrescenta:

"Não foram apenas os ativistas e políticos que tiveram que abandonar a região mas os jornalistas também. Segundo as regras em vigor, não são permitidos quaisquer registos ou transmissões nas áreas sob estado de emergência. Organizações de jornalistas afirmam que o governo está a limitar o acesso à informação. Um jornalista já foi acusado de não estar a cumprir os regulamentos".